Publicidade
Sim & Não

Não é golpe, é cinismo’, diz procurador

05/04/2016 às 21:13
Show sdfsdfjsdf

Figuras públicas do Judiciário amazonense e do Ministério Público, com argumentos diversos, passaram a assumir publicamente posição contrária ao afastamento da presidente Dilma Rousseff. Caso do ex-chefe do MPE/AM, procurador Francisco Cruz, e do juiz Luís Carlos Valois. O magistrado, em suas publicações nas redes sociais, demonstra adesão à tese de que o impeachment é “golpe”. Já o membro do MP afirma que o processo em curso não é golpe, “é cinismo puro”.

Justiça

Na avaliação de Francisco Cruz, que diz nunca ter votado no PT - “nem quando estava na moda” - não há crime imputado a Dilma que justifique sua retirada. “Imagine se todo gestor incompetente for deposto pelo vice”, comenta. Para ele, o TSE é o foro que precisa definir se a chapa eleita fica ou sai.

Mito

O ex-governador Amazonino Mendes (PDT) ganhou status de estrela na sessão de homenagem aos 15 anos da UEA, ontem, na Assembleia Legislativa do Estado (ALE/AM). Foi prestigiado por deputados, funcionários da Casa e até por antigos adversários.

Feito 

Os deputados Serafim Corrêa (PSB) e Alessandra Campelo (PMDB) estiveram entre os que agradeceram o ex-governador pela idealização da UEA. Outros foram além. Dr. Gomes (PSD) disse que Amazonino foi “inspirado por Deus” ao criar a universidade e Orlando Cidade (PTN) afirmou que esse “é o maior legado da sua vida política deste planeta terra”. 

Estressado 

Além da passagem de Amazonino Mendes pelo Legislativo Estadual, o assunto que dominou as conversas nos bastidores da Assembleia foram os ataques de fúria do presidente da Casa, deputado Josué Neto (PSD). Deputados e assessores vem estranhando o comportamento.

Cerco

Gestores que atuaram no governo Eduardo Braga (PMDB) não passam por dias “favoráveis”. Frank Lima, ex-coordenador da Unidade Gestora do Prosamim, foi condenado pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE/AM) a devolver R$ 8,9 milhões por superfaturamento em obra do programa, no exercício de 2009. Hiel Levy, ex-Agecom, é o próximo da fila.

Sem arranjo 

O presidente estadual do PRB, deputado federal Silas Câmara, nega que a direção nacional da legenda, líderes do partido na Câmara e parlamentares membros da sigla estejam em conversa com o governo para conseguir um ministério na Esplanada, em troca dos 22 votos do partido contra o impeachment da presidente Dilma Rousseff.

Listão

 Silas Câmara também classificou como “especulação da mídia” a notícia de que ele e o PRB estariam de volta na lista dos deputados que o Planalto contabiliza como votos contrários ao processo. O deputado tem feito discursos e postado nas redes sociais seu apoio ao impedimento da presidente da República.

Carência

O número de atendimentos feitos pela Defensoria Pública do Amazonas, em um dia de ação itinerante, mostra o quanto a demanda por Justiça ainda é reprimida no Estado. Mil pessoas procuraram o auxílio do órgão para a regularização de imóveis, no primeiro dia da Semana Nacional de Luta pela Moradia Digna.