Publicidade
Sim & Não

Negociação até o último minuto

17/04/2016 às 07:07
Show camar

A derrota do governo Dilma no STF, ao tentar barrar a votação do impeachment neste domingo, abateu, mas não freou as negociações da base aliada na busca dos votos necessários para enterrar o processo. A tentativa é convencer deputados a mudarem de opinião nem que seja no último minuto. A estratégia do Planalto chegou a parlamentares do AM. O deputado federal Silas Câmara (PRB), por exemplo, vem sendo assediado com insistência para mudar de voto e ficar com Dilma. 

Atalho  

Preterido pelo PDT enquanto esteve filiado na legenda, o deputado estadual Dermilson Chagas foi um dos procurados por caciques da sigla de Brasília para fazer uma “ponte” com Silas Câmara.

Fora  

Dermílson, que há um mês se abrigou no PEN após a entrada de Hissa Abrahão no PDT, respondeu que a nacional deveria estar mais preocupada com o voto do próprio Hissa do que com o de Silas Câmara. Até dias atrás, o pedetista mantinha em “segredo” sua posição, apesar do partido ter fechado questão a respeito do assunto. 

Resistência  

Consultado, Silas sustentou que não cedeu a nenhuma proposta e hoje vota pelo impeachment. “Não vendo, não negocio meu voto”, afirmou. 

Recesso  

Os membros da Câmara Federal já acordaram que, independente do resultado da votação de hoje, vão entrar em um período de folga nesta semana. O desgaste dos deputados é visível. A ideia é “distensionar” o clima. Após a sessão de segunda-feira, eles partem para o feriadão. 

Vibração  

Leitor da coluna atento às movimentações em torno da sessão do impeachment, e vendo como parte da população de Manaus está se organizando, em casas, praças e na Ponta Negra, para assistir à votação, perguntou, em tom de ironia: “É a final da Copa do Mundo?”.  

Prece  

O Sindicato dos Servidores Públicos Federais no Amazonas marcou para este domingo, 12h, uma “vigília pela democracia e soberania nacional”. A entidade é contra a saída da presidente Dilma. 

Bomba  

O potencial inflamável das investigações sobre a morte do militante do Partido Democrático Trabalhista, Alexandre Ferreira, podem causar estragos em peixes graúdos. Ameaças, chantagem e a venda de carteiras estudantis estão no rol da apuração que caminha a passos largos.  

Padrão  

Após reunião com conselheiros de tribunais de contas de várias partes do País, no Rio de Janeiro, o presidente do TCE/AM, Ari Moutinho, retornou disposto a adequar as fiscalizações do órgão ao padrão seguido pelo TCU. A ideia é que, partindo de um manual de fiscalização, o auditor seja “cirúrgico”. 

Saque 1  

Denúncia que chegará ao MPE/AM nos próximos dias vai apontar o sumiço de documentos administrativos e contáveis da representação da Prefeitura de Maraã, em Manaus. Em 28 de março, o prefeito da cidade, Cícero Lopes (Pros), foi assassinado. 

Saque 2  

O novo chefe da representação do município,  Jander Azevedo, fez um B.O. relatando os fatos. A Polícia Civil fez perícia no local. Na Justiça, a disputa pelo comando de Maraã prossegue. O vice, Luiz Magno, assumiu a Prefeitura, mas a filha do ex-prefeito, Gleiciane Silva, já tentou arrancá-lo de lá por duas vezes com medidas judiciais, mas sem sucesso.