Publicidade
Editorial

O cinismo e a guerra

05/09/2017 às 21:12 - Atualizado em 05/09/2017 às 21:13
Show 000 s51p0

O nível de cinismo de uma parte da classe política brasileira está, aos poucos, vindo a tona e mostrando cada vez mais a necessidade do próprio povo “tomar nas mãos”, como nos ensina simbolicamente a poética de Candinho e Inês, “a nossa geografia”. Somente o povo, de maneira livre e soberana, será capaz de dar a solução mais adequada e legítima para o quadro de depreciação moral desta parte dos nossos políticos que ao mesmo contribuem para o acirramento de uma guerra institucional, aquela que ocorre quando os poderes constituídos entram em choque e fazem com que a descrença na democracia se torne uma premissa consensual.

A mais nova demonstração deste cinismo vem da Bahia, onde o ex-deputado e ex-ministro da Secretaria de Governo Geddel Vieira Lima cumpre prisão domiciliar usando tornozeleira eletrônica. Se já não fosse, per si, vexaminoso este fato, ontem, durante o cumprimento de mandados judiciais no âmbito da operação Tesouro Perdido, a Polícia Federal encontrou malas cheias de dinheiro num imóvel que é ligado a Geddel Vieira Lima, que, como fazem os cínicos, chorou a saber da ação policial empreendida no local.

Muitos políticos, de variadas matizes ideológicas como ele, foram as ruas em 2015 para defender o impeachmente da ex-presidente Dilma Rousseff invocando exatamente a bandeira de que era preciso combater a corrupção do governo petista, mas tendo, como se diz no adágio popular, um imenso rabo preso com esquemas e propinas empresariais. Geddel Vieira Lima, Agripino Maia, José Serra e Aécio Neves foram apenas alguns destes cínicos que nas ruas fingiram combater o que na sombras praticavam com a máxima voracidade.     

E a máxima voracidade explica o por quê da apreensão de ontem ter sido a maior em dinheiro vivo já feita por uma operação da Polícia Federal. Até o fechamento desta edição foram contabilizados em uma agência bancária de Salvador um total de R$ 30 milhões nas malas do baiano. No entanto a contagem de notas ainda seguiria pela madrugada a dentro.

Para piorar o dia o problema da guerra entre poderes também deu sinal de vida com o cerco feito por deputados e senadores, bem como integrantes do Judiciário, às ações do Procurador-Geral da República, Rodrigo Janot, que contra todos têm uma denúncia pronta e acabada para ser ingressada no STF.