Publicidade
Editorial

O imbróglio Manaus Moderna

07/11/2016 às 21:23
Show manaus moderna03

O complexo Manaus Moderna desafia, há anos, a capacidade de agir das autoridades locais. É a negação do que se supõe moderno o cenário da região na área central da cidade. Os usuários tropeçam no abandono e lidam cotidianamente com a violência estampada em várias modalidades.

As propostas em torno da Manaus Moderna apontavam para a constituição de um lugar decente, com equipamentos funcionais e dinamismo nas atividades pensadas para aquela parte da cidade. Uma das mais movimentadas. O local receberia reforço a fim de que fosse ampliada a potencialidade que oferece como um dos endereços turísticos de maior procura. Está tudo parado e abandonado, como mostra matéria do jornalista Paulo André Nunes, publicada na edição de ontem, no caderno de Cidades.

O que se encontra é a demonstração do descaso. O porto da Manaus Moderna parece um lugar fantasma, escadarias desgastadas que representam perigo aos usuários, buracos, lixo e mal cheiro. Aos habitantes da cidade que acaba de completar 347 anos e tem naquela região parte importante da sua história sobra a tristeza em conviver com o desmantelamento de uma estrutura que não apenas integra um megaprojeto de modernização de áreas  como se constitui em espaço em que a economia da cultura poderia funcionar. Nele, postos de trabalho diversos e mobilizações culturais além do movimento das embarcações seriam, se bem articulados, instrumentos de otimização da economia local e da presença do Estado.

Ao contrário, a ausência estatal estimula as práticas mais absurdas, a conduta do abandono e da violência. Empurra o local para gueto e perde a possibilidade de incrementar bons negócios do turismo e da cultura regional. A Manaus Moderna ou o que deveria ser aquela parte exemplifica como a gestão pública deixa passar oportunidades de aproveitamentos de áreas da cidade que reúnem condições de serem desenvolvidas e abrigar soluções criativas, educadoras e promotoras de boas práticas, de trabalho e de renda a centenas de famílias.

Em outras cidades brasileiras áreas com esse perfil foram melhoradas e passaram a ser cartão-postal na recepção de milhares de visitantes. O imbróglio é feio, pesado e se agrava a cada dia impactando negativamente a cidade. Até quando ficará nessa condição?