Segunda-feira, 14 de Junho de 2021
Sim e Não

Opiniões sobre moratória


show_alexandre_saraiva_no_roda_viva_959C7EEC-10BB-4FB9-B230-EEA1EE0ACF12.jpg
10/06/2021 às 07:59

A ideia de uma moratória para a madeira brasileira, defendida pelo ex-superintendente da Polícia Federal no Amazonas, Alexandre Saraiva, é vista com ressalvas por ambientalistas que atuam no Amazônia. Sozinha, dizem eles, a moratória não apenas é infrutífera, ela pode piorar a situação de quem explora esse recurso natural dentro na lei.

Para o superintendente da Fundação Amazonas Sustentável (FAS), Virgílio Viana, a moratória tem certo sentido no cenário atual, em que predomina a ilegalidade. A medida, porém, precisa vir acompanhada da reestruturação do setor madeireiro. “É um setor importante, que pode contribuir inclusive para a manutenção da floresta, por meio de projetos de manejo”, explica.

Viana defende que as instituições que têm selo verde internacional, caso da Mil Madeiras em Itacoatiara, deveriam ser autorizados a manter suas atividades, ficando de fora da moratória. E que o projeto de reestruturação do setor de madeira contemple estímulos à profissionalização, de forma que tenhamos uma “economia florestal sustentável”.

Rapina descontrolada

A preocupação com quem adota boas práticas de manejo é compartilhada pelo diretor executivo da Associação Conservação da Vida Silvestre (WCS), Carlos Durigan. Para ele, a moratória pode ajudar a “conter a rapina descontrolada do produto na região”, mas é uma medida difícil de se implementar sem estrutura de inteligência, logística e pessoal e sem que se gere alternativas para as pessoas que vivem da floresta e seus recursos.

“O ideal seria termos uma política clara e focada no uso sustentável dos recursos florestais, onde se implementem e apoiem ações voltadas ao manejo sustentável em áreas onde isso é possível e ao mesmo tempo em que se estruturem programas de monitoramento, controle e fiscalização e através destes se possa coibir as atividades degradantes e ilegais”, opina Durigan.

Certificação não é válida

A ideia da moratória para a madeira brasileira foi apresentada por Alexandre Saraiva em entrevista ao programa Roda Viva esta semana. Segundo ele, para frear o desmatamento, “a sociedade tem que começar a fazer a parte dela”. “Eu defendo a moratória. Os países (estrangeiros) deveriam parar imediatamente de comprar madeira brasileira. E a sociedade brasileira também”.

Saraiva diz que a certificação de origem que existe hoje no mercado nacional não é válida pois não há cadeia de custódia para transporte, depósito e logística da madeira. O delegado foi afastado do comando da PF do Amazonas após apresentar notícia-crime contra o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles. Segundo ele, Salles tentou prejudicar a Operação Handroanthus, que fez apreensão recorde de madeira na Amazônia.

‘Essencial’ - Em sessão de votação na Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam),   deputados  aprovaram o Projeto de lei nº 20/2021, de autoria da deputada professora Therezinha Ruiz (PSDB), que propõe o reconhecimento da Educação como Atividade Essencial no  Amazonas, abrangendo todo o serviço de promoção do ensino público e privado, em todos os seus níveis e modalidades.

‘Essencial 2’ -  O texto destaca a educação pública e privada como serviço essencial em todas as suas modalidades, incluindo as escolas regulares que promovem o ensino infantil, fundamental, médio, técnico, superior e ensino preparatório para exames e vestibulares. O projeto também abrange as atividades de reforço escolar, os cursos livres de idiomas, de esportes, de música, além dos estabelecimentos de aperfeiçoamento profissional, academias de ginástica, de dança, de artes marciais.

R$ 1 milhão  -  Reeleito nas últimas eleições, o prefeito de Autazes,  Andreson Cavalcante (PSC) afirmou que o município foi contemplado com aproximadamente R$ 1 milhão em materiais e equipamentos, a partir de recursos próprios da Prefeitura Municipal.

MPE... - O Procurador-Geral de Justiça do Amazonas, Alberto Rodrigues do Nascimento sugeriu ao governador Wilson Lima  a participação do Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (Gaeco)  nas ações de combate ao narcotráfico.

...nas ações -  "Temos um departamento com expertise que atua diretamente nessa área, o Grupo de Atuação Especial e Combate ao Crime Organizado (GAECO), cuja contribuição é da maior importância em situações como essas, que afetam gravemente o nosso Estado", destacou o PGJ em reunião com o governador e com o Secretário Estadual de Segurança Pública, Coronel Louismar Bonates.

Antecipado -  O senador Eduardo Braga (MDB) não esconde que está em plena campanha eleitoral. Antes ‘apagado’ nas redes sociais, o emedebista passou a publicar, principalmente no Instagram, mais de uma vez ao dia. Na última terça-feira, ele publicou arte sugerindo a adoção de políticas sociais urgentes, como se já fosse uma promessa de campanha. 

 


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.