Publicidade
Sim & Não

‘Poder oculto’ atenta contra operação

04/01/2018 às 21:09
Show melo 123

A Justiça Federal está ciente agora do que se sabia nos bastidores: alvos da Operação Maus Caminhos estão recebendo informações privilegiadas para obstruir a maior investigação contra a corrupção da história do AM. De tão sério, o caso pode culminar na deflagração de uma nova fase da  apuração. Além de intimidar testemunhas, faz parte da estratégia do grupo que dá amparo ao bando criminoso minar a atuação de magistrados, como também veicular “Fake News” para confundir a opinião pública.

Ameaça  Ao ordenar a prisão da ex-primeira-dama Edilene Gomes, e transformar em preventiva a detenção de José Melo, a juíza Jaiza Fraxe é taxativa: ambos usavam de um “poder paralelo” para obstruir a investigação, descobrindo “clandestinamente” datas de depoimentos para intimidar testemunhas.

Tormento Conforme já publicou a coluna, cúmplices de alvos da operação da PF deixam patente o desespero. Parte desse bando busca constranger até quem manifesta apoio à investigação. O mesmo desespero atinge quem é investigado e ainda está solto.

Foro A tendência da Operação Maus Caminhos ainda é subir  alguns degraus.

Cerco  A Polícia Federal organiza, sob o comando da direção da corporação no DF, um grupo de trabalho para inibir as “fake news”  (textos mentirosos com cara de “notícia”, distribuídos via rede social). Em curso está a formatação de uma lei para tipificar a conduta criminosa e fornecer ferramentas de trabalho à PF.

Medidas Ainda sobre o assunto, a Diretoria de Investigação e Combate ao Crime Organizado da Polícia Federal informou, conforme registrou o jornal  Folha de São Paulo, que “uma nova lei poderia permitir à polícia a adoção de medidas mais duras de repressão à prática, como operações de busca e apreensão para coleta de provas”.

Decisão   Está marcado para o dia 1º de fevereiro, às 14h,  Superior Tribunal de Justiça (STJ), o julgamento do último recurso do “Quinteto Fantástico”, como ficou conhecido um grupo de candidatos “aprovados” em concurso para delegado, em 2009, mesmo sem conseguir a pontuação necessária.

Recursos Em maio de 2016 o STJ publicou decisão que, atendendo a um pedido do MPE, manteve o decreto de exoneração do “Quinteto”, assinado pelo então governador Omar Aziz em junho de 2012. O decreto anulou a nomeação dos cinco candidatos, que se tornaram delegados após terem a pontuação “turbinada”, ainda em 2011, pelo então delegado-geral Mário César Nunes. Após a decisão do STJ, os delegados  moveram “embargos de divergência”.

Violência Dados oficiais divulgados pela  Polícia Militar do Amazonas  mostram o trabalho realizado pela corporação, em 2017, mas também dão a noção exata do tamanho da pertubação social causada pela bandidagem.

Números Entre janeiro e dezembro  do ano passado, a PM diz ter localizado e recuperado 3.444 carros roubados e furtados. No mesmo período foram apreendidos 1.169 armas de fogo e 3.174 munições, além de 267 armas brancas.

Mais Durante o ano de 2017, as ações da Polícia Militar levaram à prisão de 2.373 pessoas em flagrante e 17.047 detenções. Não está nessa conta os 5.230 menores apreendidos no ano passado.