Segunda-feira, 20 de Maio de 2019
Editorial

População atendida por sucatas


_nibus_5BA374CB-9B96-495A-8F64-5F799EAF549C.JPG
24/04/2019 às 07:48

Quando se discute mobilidade urbana em Manaus, não podemos deixar de considerar a qualidade do transporte coletivo na capital, que é a pior possível. Um dado que mostra a precariedade atual do sistema é o número de panes mecânicas nos veículos: foram 436 só em março. Considerando que a frota é composta de 1.356 ônibus, é como se mais de 30% dos carros fossem tirados das ruas por problemas mecânicos. É um problema corriqueiro nas ruas de Manaus: passageiros exercitando a paciência ao ter que aguardar outro ônibus já que o carro em que estavam apresentou problemas. Os que podem, desistem da espera, tomam um taxi, mototaxi ou Uber para não perder seu compromisso, arcando com o prejuízo.

É absurdo mas, quando se entra em um ônibus em Manaus, não há qualquer garantia de que se vá chegar ao destino no mesmo veículo. Os empresários do transporte público não podem reclamar da perda de passageiros para os outros modais de transporte enquanto mantém veículos sucateados circulando nas ruas. Não há estudos que comprovem a migração de passageiros, mas não faltam motivos para preterir os ônibus.

Diariamente, milhares de manauaras pagam - e pagam caro - para enfrentar desconforto, constrangimento e insegurança nos veículos que atendem o sistema de transporte coletivo da capital. Além da superlotação dos horários de pico, há ainda as panes mecânicas e o risco permanente de assalto. As panes são de total conhecimento da Prefeitura. Levantamento da própria Superintendência Municipal de Transporte Urbanos (SMTU) mostra que só a empresa Açaí Transportes Coletivos - que opera 15 linhas ligando bairros da Zona Norte ao Centro – responde por mais de 28% das panes, seguida pela empresas Global – que atende a Zona Leste -, com 15%. Portanto, as empresas que transportam os moradores das duas zonas mais populosas de Manaus são as que trabalham com ônibus em pior estado.

Nunca é demais ressaltar que o transporte coletivo é responsabilidade da Prefeitura de Manaus, um serviço que as empresas de ônibus prestam mediante contrato com o Executivo Municipal. Há regras a serem observadas, inclusive quanto à conservação da frota e segurança dos passageiros. A SMTU informou que, em decorrência de panes mecânicas ocorridas em março, emitiu 32 autos de infração contra as empresas. A sociedade espera ações mais contundentes e melhora urgente na qualidade do serviço.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.