Quinta-feira, 19 de Setembro de 2019
Sim & Não

Preservar produzindo não é novo


onyx_2_502A4A6D-431A-4D71-AB2D-4CD9CDD61218.JPG
04/09/2019 às 07:53

O mote escolhido pelo ministro Chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, para definir a visão que o Governo Federal tem da Amazônia foi o de que o presidente Jair Bolsonaro é o primeiro a falar abertamente em produção e preservação lado a lado, de mãos dadas. O ministro repetiu o mote duas vezes: em seu discurso de abertura da reunião a portas fechadas e na coletiva de imprensa que concedeu, ambos na sede do Governo do Amazonas. A afirmação, contudo, não condiz com a verdade.

ZFM  Preservar produzindo tem sido o grande desafio encarado pelo Amazonas há décadas. A própria criação, pelo Regime Militar, da Zona Franca de Manaus (ZFM), na segunda metade da década de 60 do século passado, já tinha como pressuposto gerar riqueza preservando a floresta.

Defesa   Em defesa da ZFM, aliás, a Força Sindical conseguiu reunir duas pessoas (isso mesmo, uma dupla) na frente da sede do governo para protestar durante a chegada da comitiva do Governo Federal. Um dos cartazes trazia os dizeres “A Zona Franca de Manaus preserva a Amazônia”. O outro, “A maior garantia da preservação da floresta amazônica é a Zona Franca de Manaus.”

‘Foi pro mato’   Presente à reunião na manhã de ontem na sede do governo, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, não participou da maior parte da coletiva de imprensa concedida após a reunião. Uma colega jornalista comentou: “Como se diz no interior, ele foi pro mato”, e completou: “Tomara que o mato não esteja pegando fogo”.

Lembrou Guedes   O sumiço de Ricardo Salles  foi semelhante ao que fez o ministro da Economia, Paulo Guedes, quando esteve em Manaus acompanhando o presidente Jair Bolsonaro na reunião do Conselho de Administração da Suframa (CAS). Também muito esperado pelos repórteres, Guedes sumiu durante a maior parte da entrevista.

Porta-voz   O único a falar em nome do Governo Federal aos jornalistas foi o ministro Onyx Lorenzoni. Aliás, em toda a coletiva apenas ele e o governador Wilson Lima responderam os questionamentos da imprensa.

Presente   Cada vez mais presente em cenários onde a política é a bola da vez, o empresário Romero Reis não poderia faltar à reunião de ontem com a comitiva do Planalto. Afirmou que estava em nome da Associação Pan-Amazônia e negou que seja o candidato do PSL à prefeitura de Manaus em 2020. “Eleição é só no ano que vem”, afirmou.

Carta   A Associação Pan-Amazônia, da qual Romero Reis é membro, entregou uma carta ao ministro Ricardo Salles, endereçada ao presidente Jair Bolsonaro, na qual declara seu alinhamento à visão que o presidente tem sobre a Amazônia.

Esquecido   Mesmo tendo status de ministro de Estado, o secretário geral da Presidência, Jorge Antônio Oliveira, foi esquecido na lista distribuída à imprensa com as 22 autoridades presentes à reunião .

Poder   Os chefes dos três poderes estaduais estavam reunidos ontem de manhã na sede do governo. A saber: Wilson Lima, governador do Estado; Josué Neto, presidente da Assembleia Legislativa do Amazonas (ALE-AM) e Yedo Simões, presidente do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJ-AM).


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.