Quinta-feira, 22 de Outubro de 2020
Editorial

Prestação precária de serviço


show_AMAZONAS_ENERGIA_5976994A-37F3-4E8F-9BFE-EDAA229ECD66-1_FEDCCBD5-135A-4744-B9D4-7C1F5A0C45CE.jpg
20/09/2020 às 09:21

Os arranjos para o reajuste da conta de energia elétrica estão em andamento e podem ser confirmados em pouco tempo. Nesta última semana, as explicações da empresa dadas à mídia para justificar o aumento foram, no mínimo, uma atitude de desrespeito e de pilhéria. No Amazonas e, particularmente em Manaus, maior centro de consumo desse tipo de energia, permanece frequente o racionamento desse serviço.

Praticamente todos os dias são feitos relatos de falta de luz em bairros da cidade, por horas seguidas. Por outro lado, a maioria dos usuários paga preço alto para ter acesso a esse serviço, logo a vinculação do aumento à ideia de que esse reajuste faz necessário em função das melhorias realizadas não procede. Outro aspecto colocado como motivação para reajustar são as ligações clandestinas (os “gatos”) que representariam, nas estimativas oficiais, 10% do total do consumo.

Não é admissível que os usuários que pagam regularmente para ter o serviço sejam punidos em função daqueles que recorrem à clandestinidade. Que a regularização do fornecimento de energia seja feita, a partir da construção e ou da continuidade de um plano nessa direção com participação dos governos e das organizações de representação comunitária para minimizar e superar o roubo de energia elétrica. Há ideia impulsionada de que são os mais carentes, moradores nas zonas mais pobres da cidade, aqueles que recorrem a “gatos” de luz.  Faz tempo que indicadores apontam para duas situações com impacto direto no desvio de energia elétrica: um, dívidas de órgãos públicos da administração direta e indireta que vão sendo acumuladas, e o confisco; outro, os “gatos” em áreas de maior poder econômico e com elevado consumo de energia elétrica.

A proposta inicial de reajuste na conta de luz é de 8%, porcentual que afeta profundamente a vida familiar nesse momento de dificuldades em diferentes áreas. Aumento do desemprego, redução da renda na família, preços elevados de produtos alimentícios, de limpeza e de medicamentos, além de um quadro de profunda incerteza sobre a melhoria na economia. Que os governos e o parlamento ajam para impedir o reajuste desse item e melhorar a qualidade do serviço prestado. Tem-se em Manaus e em todo o Amazonas um sistema de fornecimento de energia elétrica precário.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.