Terça-feira, 15 de Outubro de 2019
Editorial

Prioridade não é o passageiro


show_aaaa_cart_o_B3FD3519-0C3D-4094-AF77-7CB764605914.jpg
22/09/2019 às 09:29

A mudança no modelo de cobrança no transporte urbano, que por determinação da Prefeitura de Manaus passará a ser feito exclusivamente por meio de smart card dentro de dois meses, nada tem a ver com preocupações em relação à segurança dos passageiros. As empresas já vinham tomando medidas para restringir o acesso àarrecadação de cada veículo. O alvo dos assaltantes de ônibus são os próprios passageiros, seus celulares, dinheiro e demais pertences.

A despeito do discurso do secretário extraordinário que está à frente do tema, o principal motivo para a mudança no sistema de cobrança é obter total controle sobre o faturamento das empresas que operam o transporte urbano na capital. A medida revela a desconfiança por parte do Executivo Municipal em relação à lisura com que as empresas operam.

O uso do smart card possibilitará à Prefeitura de Manaus saber exatamente quantos passageiros utilizam os ônibus na capital e qual é o faturamento da atividade. É a "chave" para abrir a famosa caixa-preta do transporte público.

O argumento em torno da segurança é só uma desculpa que, nem os passageiros, muito menos as empresas, engoliram. Tudo indica que a queda de braço entre a Prefeitura e empresas tende a se acirrar nos próximos meses.

Quem pode ser pego no fogo cruzado são os cobradores. Com a bilhetagem eletrônica, as empresas certamente vão pressionar para reduzir pessoal - dispensando os cobradores, o que, aliás, é uma tendênca Brasil. Ainda que o prefeito modifique o decreto com intuito de assegurar a permanência desses profissionais, tal medida poderia ser facilmente questionada na Justiça como ingerência indevida na gestão das empresas.

A Prefeitura sabe disso, mas se os cobradores forem afastados por força de decisão judicial, o Executivo terá argumentos para escapar do ônus político que isso representaria em ano eleitoral. A culpa seria das "empresas malvadas".

Por fim, há o aspecto mais importante de todos: como vai ficar o valor da passagem após a intervenção promovida pela Prefeitura no sistema de transporte urbano? A pressão por reajuste será inevitável, uma face da recente alta nos preços dos combustíveis. A novela do transporte em Manaus está apenas começando.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.