Publicidade
Editorial

Proteger a natureza para sobreviver

22/02/2017 às 21:45
Show sjksdf

Biomas são os diferentes ecossistemas; a fauna e a flora de um país ou região. O Brasil é riquíssimo em biomas. Da diversidade amazônica aos campos do Sul, o País se notabiliza pela natureza exuberante e diversa. O uso racional dos recursos naturais não é apenas uma questão de fazer o “politicamente correto”, já se tornou uma questão de sobrevivência, embora muitos governos ainda não tenham percebido isso. Proteger a natureza significa proteger e vida. Esse é o tema da Campanha da  Fraternidade deste ano: “Biomas Brasileiros e Defesa da Vida”, lançada ontem pela Arquidiocese de Manaus.

Com esse tema, a Igreja Católica tenta fomentar um movimento que independe de correntes religiosas e que não pode se limitar ao período da campanha, que inicia na Quarta-Feira de Cinzas e segue com atividades durante os quarenta dias que antecedem a Páscoa. A principal contribuição da Campanha da Fraternidade pode ser a dinamização em torno de um assunto que, a despeito de sua importância, segue morno. Todas as pessoas reconhecem a importância da floresta e da preservação dos rios, da fauna e da flora. Mas o desmatamento continua avançando, as espécies ameaçadas ficam a cada dia mais perto de desaparecer, os rios continuam poluídos e a natureza continua em perigo. Tudo que há em termos de defesa do meio ambiente se resume, basicamente, a discursos que não se convertem em ações. Seja no âmbito das políticas públicas, seja na prática cotidiana da população.

As pessoas continuam invadindo áreas verdes, desmatando para construção de casebres, jogando todo tipo de lixo nos igarapés, destinando de forma inadequada o lixo doméstico. Os efeito da mera presença humana não têm sido positivos para o planeta. Há uma grande crise ecológica no mundo, com o aquecimento global manifestando seus efeitos catastróficos. Só para citar um exemplo, o sertão nordestino enfrenta a pior seca dos últimos cem anos. Não devemos esperar que as piores consequências apareçam para tomarmos uma atitude, que pode, e deve, começar em nossas próprias casas.

A mobilização em defesa do meio ambiente precisa começar. As pessoas precisam compreender que os recursos naturais não são infinitos e que não temos outro planeta além deste.