Publicidade
Sim & Não

Quem tem medo da ‘CPI da Saúde’?

20/02/2018 às 21:41 - Atualizado em 20/02/2018 às 23:43
Show hospital

Falta apenas uma assinatura para que a CPI da Saúde seja protocolada na Mesa Diretora da Assembleia e, dependendo da vontade do colegiado, passe a investigar o uso dos recursos públicos destinados à área, nos últimos cinco anos. A deputada Alessandra Campêlo (MDB) foi a sétima a registrar rubrica no requerimento. São necessárias oito assinaturas. A Assembleia tem 24 deputados. Não está claro por que só um quarto da Casa apoia de fato a investigação.

Lista O requerimento que  pede a abertura da CPI da Saúde tem as assinaturas dos deputados José Ricardo (PT) e Luiz Castro (Rede), autores do pedido, e dos colegas Sinésio Campos (PT), Platiny Soares (DEM), Alessandra Campêlo,  Augusto Ferraz (DEM) e Sabá Reis (PR). 

Porém O deputado José Ricardo sustentou  que, ainda que todas as oito rubricas sejam  formalizadas, e o pedido de CPI protocolado na Mesa Diretora, não há garantias de que a investigação irá andar na ALE/AM. Ele lembrou que outras CPIs, como a da “Farra do Diesel”, que investigaria as empresas ligadas ao Sinetram, alcançaram o apoio necessário, mas não caminharam no Legislativo Estadual.

Crítica 1 Em tom crítico, o deputado estadual Sidney Leite (Pros) disse ontem, na tribuna da Assembleia, que a intervenção federal no Rio de Janeiro não era a solução para os cariocas e afirmou que, se considerar os mesmos pressupostos, a União teria que usar a medida em outros Estados, como Amazonas e Ceará.

Crítica 2  “A solução é o governo federal injetar mais recursos e ter uma política integrada (na Segurança Pública)”, disse Sidney Leite, que foi chefe da Casa Civil do governo Amazonino Mendes durante três meses. Para ele, a criminalidade continua em alta no AM. Citou “dez homicídios em Coari” e “16 em Manaus”, em apenas uma semana.

Filantropia Projeto de Lei de autoria do vereador Plínio Valério (PSDB), que começou a tramitar esta semana na câmara Municipal de Manaus, libera supermercados, mercadinhos, açougues, distribuidoras e panificadoras para doar alimentos “consumíveis”, mas que, por alguma razão, não tenham sido vendidos.

Critérios Conforme a proposta, os alimentos que poderiam ser doados a entidades de assistência “são aqueles embalados incorretamente, amassados, com pequenos machucados, ligeiramente descoloridos ou que estejam passando por um prazo de validade recomendado, mas ainda bons para o consumo”, e ainda que “mantenham suas propriedades nutricionais”.

Tipo Na Assembleia Legislativa do Estado uma proposta de autoria do deputado Sinésio Campos quer obrigar a identificação, no fardamento dos alunos da rede pública e privada de ensino, do “grupo sanguíneo e do fator RH” de cada estudante. “Caberá ao poder público estadual decidir a forma adequada para o cumprimento desta lei”, diz o texto do projeto. 

Avesso Enquanto se distancia do senador Omar Aziz (PSD) e do prefeito Arthur Neto (PSDB), seus aliados na eleição suplementar, o governador Amazonino Mendes (PDT) fica bem próximo do ex-adversário de  campanha, senador Eduardo Braga. Não só de Braga, mas dos irmãos Átila e Belarmino Lins, que também estavam no palanque adversário.