Publicidade
Editorial

Ranking mostra a insatisfação geral dos manauaras em números

29/04/2017 às 15:33 - Atualizado em 29/04/2017 às 15:34
Show show 1

Há algum tempo que o brasileiro, de um modo geral, e o manauense, em especial, entrou num estado de ânimo que beira a infelicidade. E não é difícil perceber a insatisfação generalizada nas conversas de bares, nos almoços em família e até nas rodas do cafezinho em ambiente de trabalho.

Pois A CRÍTICA resolveu dimensionar esse estado de ânimo e encomendou uma pesquisa à empresa Projeta para checar o grau dessa infelicidade geral da Manaus - outrora cidade sorriso - e não foi pouca coisa o que os pesquisadores encontraram nas idas às ruas e casas da cidade.

O trabalho de campo aferiu que 62,1% dos manauenses veem com preocupação a questão da segurança pública, tema que é seguido por saúde (33,4%), asfaltamento (24%), desemprego (18,6%) e transporte público (18,2%).

Segurança pública, posto que mexe com a vida e o patrimônio das pessoas, naturalmente lidera qualquer ranking que façamos no Brasil, sobretudo em tempo de crise econômica e desemprego em alta. O desespero, resta bem documentado este fenômeno, acaba levando as pessoas a violência cotidiana. E não por acaso este tema lidera as preocupações em todas as zonas de Manaus.

No âmbito da responsabilização, 40,5% dos que responderam à pesquisa acreditam que o prefeito Arthur Neto é o responsável pelos problemas da capital. Para 30,37% essa responsabilidade é do governador José Melo (Pros) e para 18,45%, do presidente Michel Temer (PMDB). Também naturalmente essa culpa pelos nossos males recaem sobre o gestor municipal, que está no cargo há cinco anos e, em que pese a reeleição conquistada no ano passado, tem índice de aprovação considerado apenas regular. E regularidade não é suficiente, podemos ver isso nas respostas, para um gestor de uma cidade que tem 2 milhões de habitantes e convive com problemáticas complexas de cidades ainda maiores. Para piorar, não se pode esquecer o modo amador com o qual certos problemas são tratados em nossa cidade, apesar da recorrência dos mesmos.

Neste sentido, a pesquisa da Projeta é uma sinalização clara do humor do cidadãos, cuja paciência tem sido, as vezes mais outras vezes menos, testada a exaustão pelos detentores do poder público. É hora de mudar este quadro e efetivamente resolver os problemas.