Publicidade
Editorial

RCC folcloreia para o mundo ver

30/06/2017 às 20:55 - Atualizado em 30/06/2017 às 20:57
Show show boi bumb

Neste domingo encerra o 52º Festival Folclórico de Parintins. A festa iniciada ontem à noite realiza a mais de meio século um dos empreendimentos valiosos da Amazônia e do Brasil embora a oficialidade do País ainda o olhe sem o devido valor. Na ilha do baixo rio Amazonas, milhares de pessoas anualmente encontram razões para brincar de boi e  ir além da brincadeira mobilizando uma cadeia de pequenos empreendedores.    

A Rede Calderaro de Comunicação (RCC) é desde o início parceira do festival. Buscou de todas formas manter os vínculos e ajudar na divulgação, na disseminação e na atração de investimentos para a melhoria da cidade-sede da festa e para a própria festa. Enfim, tornar o Festival de Parintins cada vez mais conhecido e, assim, ajudar na atração de visitantes dos vários lugares do mundo para conhecerem a brincadeira.

A despeito das crises, a festa dos bois bumbás mantêm na alegria, na beleza, na paixão pelos bois as motivações que levam esses visitantes a saírem de suas cidades para morar por alguns dias em Parintins e se encantar com outras demonstrações ativadas pelo folclore que estão no poder de uso da criatividade dos parintinenses. São engenhosidades que a cada ano surpreendem e contam ainda com o outro espetáculo único que as duas galeras – vermelha e azul – oferecem a cada apresentação.

O Festival Folclórico de Parintins tornou-se, por mérito próprio, um dos eventos mundiais. Poderia a partir de políticas públicas culturais bem elaboradas ter desdobramentos maiores e oferecer importantes respostas a problemas socioeconômicos do Estado, mas principalmente do município de Parintins. Em outros lugares do mundo em algumas cidades brasileiras, em melhor escala, a economia cultura já se posiciona como um instrumento eficiente e bonito no enfrentamento de problemas em especial no que diz respeito as demandas de jovens, adolescente e crianças.

A RCC acredita nessa receita e em soluções que passem pelo respeito e boa utilização das manifestações culturais da Amazônia e do Amazonas. Parintins nesse contexto é um exemplo positivo as outras cidades amazonenses que igualmente têm calendários de festas de época onde as culturas fazem grandes encontros. É um alento e uma inspiração em meio a crise ética-política poder apresentar ao Brasil e ao mundo outras notícias e o potencial dos brasileiros amazônidas.