Publicidade
Editorial

Recuperação econômica

02/04/2018 às 21:06
Show ovo

Os resultados da Páscoa para o comércio neste ano surpreenderam até mesmo os economistas mais pessimistas. Em Manaus, as vendas cresceram 1,5% na semana passada. Se considerarmos que no ano passado, o crescimento foi zero em relação ao ano anterior, uma alta nesse nível atesta o que todos os analistas do mercado já sabem: o reaquecimento da economia já começou e é um fenômeno que caminha com as próprias pernas. Não se trata de um resultado da desenvoltura do governo federal , é algo mais relacionado à estrutura macroeconômica que vem se realinhando nos últimos anos.

O governo poderia acelerar esse processo de reaquecimento, com ótimos resultados na geração de empregos, se tomasse algumas medidas necessárias e pontuais. No caso específico da Zona Franca de Manaus, um grande passo seria a prorrogação dos incentivos da Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia, a Sudam. Tais incentivos integram o pacote de vantagens que o modelo amazonense oferece aos investidores. Seria perfeito se, no momento que as engrenagens da economia começam a funcionar com mais força, a Zona Franca tivesse a garantia de que os incentivos da Sudam continuarão valendo depois de dezembro deste ano.

O governo poderia fazer isso agora? Sim, mas do ponto de vista da política é mais vantajoso usar isso como trunfo para negociar apoio para qualquer coisa. Ainda mais em ano de eleição. Pior que isso, no momento, o governo está mais preocupado em sobreviver às pressões que recaem sobre o presidente, que possivelmente terá que enfrentar uma terceira denúncia por parte da Procuradoria Geral da República. Se ficar paralisado e não fizer nada, não deixa de ser positivo. Pior que ficar inativo é agir para atrapalhar. Como aconteceu no setor de bebidas, prejudicado por um ato da Receita Federal que, ao mudar o enquadramento dos concentrados para fabricação de bebidas, simplesmente  retirou os incentivos da Zona Franca para esse produto. Um prejuízo terrível que precisa ser reparado.

De qualquer forma, lideranças empresariais do Norte, comandadas pela Federação das Indústrias do Estado do Amazonas (Fieam) estão planejando uma série de ações em Brasília para pressionar o governo e antecipar o quanto antes a prorrogação dos incentivos da Sudam.

A economia está retomando o rumo após o período de turbulências vivido nos últimos anos. É o momento certo para potencializar esse cenário, tomando medidas simples que terão reflexos muito positivos para a região e para o todo o País. Basta ter visão e um pouco de responsabilidade com a gestão pública.