Domingo, 25 de Agosto de 2019
Editorial

Reivindicações indígenas


ind_genas_E26FEE78-76FE-46EC-9F0D-BFA8D8557E0B.jpg
14/08/2019 às 08:13

Até o dia 15, as ruas de Manaus estarão tomadas por uma série de protestos e entrega de documentos às autoridades estaduais e representantes de órgãos do governo federal. No Amazonas, os povos indígenas lutam para assegurar recursos financeiros via Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO).

A IV Marcha dos Povos Indígenas na capital amazonense, iniciada ontem, faz um movimento em direção da defesa do Estado Democrático de Direito e do respeito às culturas indígenas. Vindos de inúmeras comunidades de pelo menos 40 municípios, os indígenas tentam desde dezembro do ano passado ampliar espaços de diálogos, debater temas considerados fundamentais para esses povos, tais como defesa e garantia dos territórios, apresentar propostas que contemplem o desenvolvimento sustentável e as formas de vida das comunidades indígenas.

Nas áreas da educação e saúde, os indígenas marcham para chamar atenção das autoridades sobre o processo de desestruturação dos programas e progressivo enfraquecimento das ações como iniciativas do Estado, como determina a Constituição Federal. Querem esclarecimentos e ampliar a participação nos espaços de tomada de decisão que afetam diretamente os seus modos de existência e de vida; e fortalecer, a partir da perspectiva indígena, as instâncias governamentais que atuam nessa área. Para os indígenas, a conduta de dialogar com as autoridades vem se tornando cada vez mais difícil o que gera preocupação e exige insistência na apresentação das pautas de reivindicação, na lembrança dos compromissos assumidos por essas autoridades durante a recepção dos primeiros documentos.

A crise entre governos de países europeus com o governo brasileiro que cessa ajuda financeira para iniciativas como o Fundo Amazônia é outra razão e preocupação aos líderes dos povos indígenas que veem, nesse tipo de rompimento, um sim aos projetos nacionais e internacionais de exploração da Amazônia sem considerar o modo de vida dos povos indígenas, o ecossistema amazônico e a importância dele para o Planeta. Nos manifestos das marchas até agora realizadas, os indígenas lutam por questões que poderiam ser compreendidas como próprias deles, mas também estão diretamente vinculadas a melhoria ou ao agravamento da vida da sociedade. Desmatamento crescente, exploração madeireira, mineral, dá água doce produzem um quadro de vida caótico aos humanos e demais seres vivos.  


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.