Publicidade
Editorial

Retrato de Manaus

18/12/2017 às 22:59
Show buraco xxxxx

Manaus chega ao final do ano como um grande buraco. A maioria dos bairros da cidade está na lista dos lugares esburacados, lixo espalhado e falta de meio fio.  Há muito tempo, a recuperação das ruas, a conversa com dirigentes de associação de moradores e com os moradores para que sejam parte da vigilância e manutenção das melhorias dessas comunidades deixaram  de acontecer.

O resultado é o cenário de abandono que a cidade expõe, à exceção de pequenos pedaços dela onde estão os condomínios mais luxuosos. A outra parte de Manaus, a maior extensão dela, se desequilibra no abandono como constatou matéria de A CRÍTICA, assinada pelo jornalista Paulo André Nunes, a edição de Cidades desta segunda-feira. A falta de infraestrutura das ruas e praças junta-se a igual situação de sujeira e descaso da maioria das feiras livres e do entorno delas. Esses espaços de apelo popular intenso e responsáveis pela manutenção de importantes postos de trabalho, de uma feição da cultura do lugar, há muito não recebem atenção; em áreas mais centrais o retrato é o mesmo.

A gestão municipal como espaço onde se pensa e executa os cuidados com a cidade parece ter saído de cena. O interesse na defesa da qualidade de vida na cidade está fragilizado. A parte da fiação elétrica sustenta a outra expressão de descaso com Manaus. São amontados de fios e outras peças formando uma cerca aérea horrenda como é possível constatar próximo a passagem de nível “Gilberto Mestrinho” na chamada ‘Bola do Coroado’. É parar, olhar e sentir vergonha.

Cabe aos vereadores o dever de buscar de informações e questionar os responsáveis pela administração da cidade. É essa uma das razões básicas do ser vereador. Se assim não é feito a Câmara Municipal pode tornar-se cúmplice da omissão e do desvio de função daqueles que estão exercendo funções públicas no âmbito municipal e ignoram as tarefas que teriam de assumir. Não é falta de recursos financeiros, o que mais falta é disposição de trabalho, de sair dos gabinetes e de andar pela cidade para sentir as dores e os estragos nela feitos.  Falta o planejamento e a realização diária do mesmo, falta vontade política para retirar Manaus desse enorme e lamentável buraco.