Publicidade
Sim & Não

Revoltado com PT, Artur prega impeachment

14/04/2016 às 23:00
Show img0017366441

O prefeito Artur Neto (PSDB) deixou claro, nesta quinta-feira (14), o desejo de que a Câmara Federal, no domingo, “vire a página” do atual governo. O tucano fez uma lista de motivos: crimes de responsabilidade da gestão Dilma, falência da Petrobras, desmoralização do BNDES, destruição do setor elétrico, as conclusões da Lava Jato e o “descrédito que passou a ser a marca de uma economia a duras penas organizada pelo Plano Real”. Pelas razões, segundo ele, seu filho, deputado Arthur Bisneto, vai votar pelo impeachment. 

Denúncia  

O prefeito explicitou a opinião em texto divulgado na Internet, onde se mostrou indignado com a falta de  recursos federais nas obras da capital. Ele se disse “perseguido” por ter passado oito anos, quando era senador, denunciando que “Lula era um farsante” e que seu governo era “corrupto”, enquanto o Brasil, “os amazonenses incluídos”, tinham o petista “semiDeus”.

Bárbaros 

Artur vai além nas acusações contra o governo. “Agiram como se fossem cortes romanas ao derrotar uma cidade inimiga: estuprar as mulheres, assassinar os guerreiros sobreviventes, escravizar as crianças e, claro, pilhar os tesouros”.

Decreto 

O presidente nacional do PDT, Carlos Lupi, disse ao Sim&Não que a bancada do partido na Câmara terá que votar contra o impeachment. “Essa é uma questão fechada”. A declaração contraria fala do deputado federal Hissa Abrahão, dirigente da legenda no Amazonas.

Negativa 

Ao contestar  nesta quinta-feira a capa de A Crítica, que registra seu voto contra o impedimento, Hissa disse não ter declarado posição sobre o assunto, e que o PDT “orienta, mas não impõe voto”. Lupi, porém, sentenciou: “Não há opção. Ou votamos contra o impeachment ou todos que não seguirem essa determinação estarão sujeitos às sanções”, avisou ele. 

Arrogância

Observador atento da cena política em Brasília diz que o “clima de já ganhou” da oposição, nos últimos dois dias, especialmente por conta da adesão do PP e do PSD, ao invés de aproximar, vem afastando os indecisos.

'Humildade'

Enquanto isso, o governo, mais do que nunca afável e gentil, com a caneta na mão vem conquistando adeptos nas conversas de pé do ouvido, bem longe dos holofotes. Há deputados amazonenses, inclusive, que já estão “balançando” diante das propostas.

Confirmação 

Ciente das negociações que tomaram cada canto escondido de Brasília, o deputado Marcos Rotta (PMDB) tratou de publicar nota reafirmando que vota em favor do impedimento de Dilma.

Parlatório

Os senadores Vanessa Grazziotin (PCdoB/AM) e Cássio Cunha Lima (PSDB/PB) são os entrevistados desta sexta-feira (15) da jornalista Mariana Godoy, na Rede TV, em série que ouve opiniões a respeito do processo de impeachment. O programa vai ao ar às 22h10 (em Manaus).

Primeiro

O presidente da Assembleia Legislativa do Estado (ALE/AM), Josué Neto (PSD), foi pressionado por colegas a “cortar na própria carne”, antes de definir cortes no baixo clero do Poder. Reclamavam, por exemplo, de servidores em cargos de confiança, com altos salários, que não são muito vistos na sede da Casa.

Foto: Antônio Menezes