Publicidade
Editorial

Rotina de fiscalização sanitária

08/11/2016 às 21:33
Show supermercado02

A fiscalização realizada, na manhã de ontem,  sob coordenação do Ministério Público do Estado (MP-AM) em parceria com órgãos de defesa do consumidor, em uma unidade da rede de supermercados DB comprovou o que há muito nas redes sociais virou piada de tanto que a pratica de comercializar produtos de baixa qualidade se tornou regra na empresa amazonense.

A lista de problemas que fraudam  e colocam a saúde do consumidor em risco na unidade fiscalizada é grande: pacotes de carnes totalmente descongelados, fedendo e sem o peso informado; iogurtes vencidos; queijos sem as datas de validades visíveis; brinquedo sem o selo de segurança do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro); e vários produtos com embalagens violadas. Parece pouca coisa no universo gigantesco de produtos comercializados em empresas como o DB, mas basta apenas um deles para colocar a saúde e a vida do consumidor em risco. Não é brincadeira, é coisa séria que deve ser acompanhada de uma reflexão por parte das autoridades fiscalizadoras, que ontem receberam todos os aplausos e parabenizações pela ação na unidade problemática da rede.

Esse fato de ontem mostrou que a população quer mais fiscalizações como essa e que elas não podem ser um caso eventual, numa loja isolada num bairro da periferia, mas sim uma rotina bem planejada e estendida a todas as redes supermercadistas da cidade e em todas as unidades delas, posto que a mudança nos hábitos de consumo das famílias levaram a opção preferencial pelas compras nestes estabelecimentos e não, como tradicionalmente ocorria, na feiras livres espalhadas pelos bairros da cidade.

 Sendo assim, também cresce um fator que foi muito bem recebido ontem que é a parceria entre diversos órgãos que lograram exito na fiscalização. Coordenada pela 51ª Promotoria de Justiça Especializada na Proteção e Defesa do Consumidor, contou também com representantes da Delegacia do Consumidor da Polícia Civil, Instituto de Pesos e Medidas do Amazonas , a Vigilância Sanitária Municipal (VisaManaus) e a Secretaria Executiva de Proteção e Orientação ao Consumidor do Amazonas (Procon-AM). Somente o esforço conjuntos destes órgãos será capaz de devolver confiança aos consumidores quando estiverem em  compras em estabelecimentos como o fiscalizado ontem.