Segunda-feira, 20 de Janeiro de 2020
Editorial

Sistema insustentável


_nibus_5A68D33B-CF0B-462E-8089-2D0D54DAC3E1.JPG
07/12/2019 às 08:24

Após uma demora de quase quatro meses, a Prefeitura Municipal de Manaus finalmente divulgou o relatório da intervenção financeira nas empresas de transporte público da capital. Foram 136 dias de atividades da comissão interventora para concluir o óbvio: que o sistema é deficitário, a frota é velha, consome mais combustível do que deveria; que é impactado pelos serviços de transporte mediados por aplicativos; e que há fraudes na gratuidade.

A comissão apenas constatou o que se vê na prática todos os dias. Os ônibus estão perdendo passageiros para outras modalidades de transporte urbano pelo simples fato de serem uma péssima opção. Só mesmo quem não tem outra alternativa se submete aos carros velhos e mal conservados, com risco de ter a viagem interrompida por pane mecânica ou ser vítima dos constantes assaltos. Isso sem falar na longa espera nas paradas e no suplício que é enfrentar a superlotação dos horários de pico. 

Sem investir na modernização da frota e na melhoria da qualidade dos serviços, as empresas observam a perda de passageiros e, consequentemente, de faturamento. O número de passageiros passou de 17 milhões em 2011 para 11 milhões neste ano. Vale ressaltar que o serviço dos aplicativos é mais caro para os usuários do que ir de ônibus. A opção se dá porque a experiência de viajar nos coletivos beira o intolerável em certos horários. É claro que, se o serviço público fosse eficiente e menos degradante, as pessoas nem pensariam em gastar mais com outros modais. Além disso, segundo os interventores, o sistema arrecada R$ 44 milhões por mês, mas tem despesas de R$ 58,9 milhões, o que gera um déficit mensal de quase R$ 15 milhões. A viabilidade do negócio está em xeque e não há respostas imediatas. O cenário atual parece um beco sem saída: as empresas precisam melhorar para fazer frente à concorrência. Mas o caminho mais curto para o reforço de caixa seria o aumento da valor da tarifa, o que é impensável dada a péssima qualidade do serviço que é oferecido atualmente aos usuários. O efeito poderia ser ainda pior para as empresas, com fuga mais acentuada de usuários e revolta geral da população. O que fazer então? O sistema de transporte público em Manaus encontra-se em uma encruzilhada e precisa ser redefinido e ajustado de forma profissional e criativa, tendo sempre em vista o melhor para a população.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.