Publicidade
Sim & Não

TCEs precisam de fiscal, afirma Ari Moutinho

02/04/2017 às 21:21 - Atualizado em 03/04/2017 às 08:57
Show rs2

O presidente do Tribunal de Contas do Estado, Ari Moutinho, defendeu a criação de um órgão de controle externo para os TCEs, nos moldes dos Conselhos Nacionais de Justiça (CNJ) e do Ministério Público (CNMP), a fim de garantir a lisura do trabalho dos conselheiros e  corrigir eventuais deslizes. “Toda fiscalização é valida”, sustentou. “Nada mais transparente do que a luz”, disse, ao afirmar que a fiscalização de um conselho dará claridade à atuação dos tribunais de contas.

Juízo   A manifestação de Ari Moutinho se deu em resposta à questionamento feito pela coluna, sobre sua opinião a respeito das prisões de cinco conselheiros do Tribunal de Contas do Rio de Janeiro. O presidente do TCE/AM defendeu rigor na investigação, mas também questionou o mecanismo da delação.

Ponderação  “Entendo que a delação é um instrumento que não pode ser tratada como verdade única”, observou Ari. “Delator passou a ser uma figura impoluta, como se não tivesse participado dos maus feitos”. Os cinco conselheiros do Rio de Janeiro foram presos após delação de um colega de plenário. Dos sete membros do TCE/RJ, só uma conselheira não é acusada de corrupção.

Gênero  Em sua passagem por Manaus, no último final de semana, a ex-ministra do STJ Eliana Calmon estabeleceu uma diferença  entre homem e mulher, na política: “Essas relações de ‘amizade’ a mulher não consegue fazer”. Ela se referia a artimanhas usadas para se obter financiamento em campanhas eleitorais.

Oportunidade Na opinião de Eliana Calmon, o fim dos financiamentos milionários das campanhas abrirá espaço para que mulheres assumam mais postos, por exemplo, no Legislativo. “A mulher não consegue penetração porque não tem dinheiro. A mulher que tem algum recurso, o primeiro pensamento é a família, e não a política”.

Volta  Previsto para retornar às atividades dia 8 de abril, o prefeito Artur Neto (PSDB) está sendo aguardado por assessores já nesta terça-feira (4). O indicativo da mudança ocorreu após funcionários que fazem a limpeza do Palácio Rio Branco, no Centro, onde o tucano despacha, serem avisados de que tinham que “preparar” o local no fim de semana.

Pressa  Nos grupos de assessores da Prefeitura, o retorno antecipado de Artur também era tido como certo. O fim repentino da licença ocorreu, segundo assessores, após Artur ser informado sobre a possibilidade de reaproximação do senador  Eduardo Braga (PMDB) ao governador José Melo (Pros). 

Estranho  Presidente da  Comissão de Transporte, Mobilidade Urbana e Obras Públicas, o vereador Rosivaldo Cordovil (PTN) estranhamente se nega a levar adiante debate sobre a instalação do Uber em Manaus. Sob seu comando, audiência pública que deveria tratar do tema, na Câmara Municipal de Manaus (CMM), nunca é agendada.

Raciocínio  A depender de lei proposta pelo vereador Diego Afonso (PDT), donos de imóveis “desvalorizados” na capital ganharão redução de até 50% no IPTU. O parlamentar justifica que obras públicas, calçadas danificadas e até  a instalação de paradas de ônibus depreciam os valores de alguns imóveis.