Publicidade
Editorial

Um grande passo para a ZFM

14/07/2016 às 20:51
Show 197663

Em tempos de recessão, todas as vitórias devem ser comemoradas. E a instalação de uma fábrica de semicondutores na Zona Franca de Manaus é uma vitória e tanto. Não só pelo fato de se tratar da maior fábrica de semicondutores do Brasil, mas também pelo que o investimento representa. Trata-se, provavelmente, do empreendimento de tecnologia mais refinada que pôs os pés na Amazônia. Os semicondutores são essenciais na produção de praticamente todos os equipamentos eletrônicos, sendo encontrados em um de seus componentes mais importantes, os chips.

Poucos países dominam essa tecnologia. O que os taiwaneses da Cal-Comp nos oferecem é a oportunidade de compartilhar essa expertise em Manaus, uma chance que deve ser abraçada com força e aproveitada da forma mais abrangente possível.

O empreendimento pode ser o primeiro de um novo setor na Zona Franca de Manaus, um segmento de altíssima tecnologia, em um ramo até agora inédito na região. Há alguns anos, quando se discutia no Brasil o padrão de TV Digital que seria adotado no País - japonês, europeu ou norte-americano - foi desenhado um acordo pelo qual o País abraçaria a tecnologia japonesa em troca de uma fábrica de semicondutores. De lá para cá, o Brasil já possui três fábricas, e o Amazonas está prestes e ter a quarta e maior planta.

Deve-se ressaltar que, mais uma vez, vale o peso dos incentivos fiscais próprios do modelo Zona Franca. Em tempos de crise, vantagens fiscais fazem toda a diferença na decisão de instalar no País investimentos de grande vulto, sobretudo quando o país em questão possui um sistemas tributário dos mais complexos.

Espera-se que o Amazonas perceba a importância desse projeto e tome as medidas necessárias para fomentar o próprio desenvolvimento. Dos 1.200 funcionários previstos, por exemplo, a maioria será de profissionais altamente qualificados em tecnologia de ponta, o tipo de formação escassa em Manaus. Será preciso investir nas universidades e institutos de pesquisa para formar essa mão de obra especializada. Isso é fundamental para garantir o  futuro crescimento desse setor na Zona Franca. O capital humano é o investimento que deve ser priorizado neste momento. Os frutos, no longo prazo, certamente, serão formidáveis se as escolhas certas forem feitas agora.