Publicidade
Editorial

Uma boa reflexão sobre a política

16/07/2017 às 22:30
Show temer

O País vive uma quadra difícil com um presidente denunciado pelo Procurador Geral da República e enfrentando um processo político na Câmara Federal. Não é  o melhor dos mundos, mas politicamente o presidente Michel Temer (PMDB) tem o comando das articulações no Congresso Nacional e fora da política não há outra solução possível.

Em que pese o espanto de toda a sociedade brasileira com o absurdo da situação, com o Executivo liberando um sem número de emendas parlamentares para garantir uma posição política dominante, é assim que a roda gira na política nacional. Isso não é privilégio brasileiro, é assim no mundo inteiro. E não é assim porque queremos, mas sim porque o eleitor quis desta forma, haja vista que todos os que chegaram ao Congresso Nacional assim o fizeram com o aval do voto popular.

Neste termo, é bom lembrar que numa democracia o eleitor é o senhor soberano e precisa exercer o direito ao voto com o máximo de diligencia possível para depois não reclamar do que seu representante faz em Brasília, como comumente vemos por ai. Assim, parece absurdo que qualquer brasileiro reclame da qualidade do Congresso uma vez que todos ali foram eleitos pelo voto popular. O voto, como diz aquela velha campanha do Tribunal Superior Eleitora (TSE), não tem preço, mas sim consequência. E graves consequências na quadra atual do País.

Ressalte-se que as eleições livres são há quase 30 anos a marca  da democracia brasileira. É na urna que o brasileiro define seu futuro, muito embora vários especialistas considerem que este momento é um entre tantos que marcam a democracia.

Neste sentido, também cabe relembrar que a participação política do cidadão não se encerra na cabine indevassável do voto. Ela vai muito além, e isso poucos brasileiros sabem e gostam. A política demanda muito mais que voto. Tem que ter participação. Tem que ter ação. Tem que ter vigília. Uma democracia forte se faz com o cidadão atento, de olho no que faz os seus representantes. Um cidadão atento é o principal antídoto contra a negociata política. Neste termo, portanto, fique atento para saber o que seu representante faz em Brasília antes de reclamar da atual quadra política, que, efetivamente, não é das melhores.