Segunda-feira, 28 de Setembro de 2020
Editorial

Vacinar é preciso


vacina_vacina_55495641-5538-4FB4-B09D-72700EB9D21D.jpg
08/09/2020 às 22:48

É preocupante o fato de que o País não atingiu nenhuma das metas de vacinação em crianças de até um ano de idade em 2019, segundo indicam os dados do Programa Nacional de Imunizações. Especialistas apontam diversos motivos para a queda na cobertura vacinal, como desabastecimento de vacinas e o próprio sucesso do programa, que acaba alimentando uma falsa sensação de segurança. Porém, entre esses motivos está a forte onda de desinformação que parece tomar conta do País, inclusive com a disseminação de fake news a respeito da vacinação.

Infelizmente, existem muitos pais decididos a não vacinar suas crianças por acreditar que a composição das vacinas inclui itens danosos à saúde. A cada campanha de vacinação também começa uma contracampanha nas redes sociais com tanta abrangência que é necessário promover, junto com a vacinação, ações de esclarecimento para combater os mitos que povoam a internet e encontram muitos adeptos. A pandemia do novo coronavírus tende a agravar ainda mais esse quadro, na medida em que muitas pessoas estão com medo de ir aos postos. É grande a possibilidade de termos uma cobertura vacinal ainda pior neste ano.

O Ministério da Saúde fica em situação delicada. Ao mesmo tempo que a pasta planeja intensificar campanhas publicitárias para estimular o interesse pela vacinação, por outro, precisa conviver com declarações do próprio presidente da República em sentido contrário. O fato é que a queda nos índices vacinais representa um enorme risco para o País, que pode ver o retorno de doenças que já estavam erradicadas, como já aconteceu com o sarampo. Não é admissível que a falta de vacinação favoreça o retorno de doenças como a poliomielite – a temida paralisia infantil -, que teve o último caso registrado no Brasil em 1989.

É preciso ter em mente que a vacina não é só para uma pessoa, mas para toda a sociedade. A desinformação a respeito da importância das vacinas é um sintoma da enorme influência da internet, especialmente das redes sociais, sobre a vida das pessoas, que cada vez mais se deixam “informar” pelo whatsapp em vez de procurar informação de verdade em canais mais confiáveis. Mais do que nunca, é preciso combater essa desinformação absurda. 


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.