Publicidade
Editorial

Venda sob suspeição

18/06/2018 às 22:11
Show manaus ambiental

A venda da Manaus Ambiental à Aegea Saneamento e participações S.A., entra para a história do saneamento no Amazonas pela referência mais negativa. O tema aparece como um dos que mais recebe crítica e pressão significativa por parte dos consumidores diante da precarização em que se encontra.  A Manaus Ambiental integra a Companhia de Saneamento do Norte e faz parte do pacote de seis empresas que o governo decidiu privatizar. A decisão de vender a companhia gerou muitas críticas e reação de legisladores, mesmo assim foi mantida.

Na Câmara Municipal de Manaus, vereadores da oposição questionam o fato de a venda ter sido feita exatamente para a Aegea cujos dirigentes respondem a ação penal por corrupção passiva ora em tramitação na 4ª Vara Criminal do Foro de Ribeirão Preto (SP). A aparente falta de critérios que assegurem transparência no processo reacende a desconfiança de que o negócio feito esteja marcado por condutas inadequadas e que irão implicar em novos prejuízos à população da cidade.

Para a população de Manaus preocupa a privatização do sistema de saneamento e os preços que virão ser cobrados pelos novos gestores da companhia. Agora, em que a Aegea é confirmada como nova dona, a preocupação aumenta diante das denúncias envolvendo essa empresa. Vereadores querem revisão desse processo e até a dissolução do negócio, esperam poder contar com outras instâncias do Poder Legislativo para colocar em pauta com a atenção merecida o tema futuro da Manaus Ambiental e da política de saneamento básico na cidade.

Para o bloco de oposição na CMM, a falta de debate aberto sobre a necessidade de vender a Manaus Ambiental é mais um sintoma de que a pressa em vendê-la esconde outras questões sérias pelas quais os consumidores serão os mais prejudicados. A importância que uma empresa de saneamento tem na vida cotidiana da cidade é cada vez maior. Logo, ações que envolvam diretamente esse aspecto não deveriam ser tratadas apressadamente e, pior, em espaços fechados como se dissessem respeito apenas a alguns grupos empresariais. Um dos focos de crítica é que a venda da Manaus Ambiental envolve ingredientes que se não esclarecidos deixarão o processo sob suspeição quanto a sua legitimidade e legalidade.