Publicidade
Sim & Não

Virada só ocorreu uma vez

03/10/2016 às 22:38
Show amarcelo02

O desafio de Marcelo Ramos (PR), que é vencer a eleição em Manaus no 2º turno, depois de sair atrás no 1º, só aconteceu uma vez em Manaus, desde 1992, quando a possibilidade de decisão de pleitos em dois turnos introduzida na Constituição de 1988 passou a valer. O autor da façanha foi Serafim Corrêa (PSB), em 2004. Depois de perder para Amazonino Mendes no 1º turno por 110,6 mil votos, Serafim tirou a diferença, e se elegeu prefeito com 25,1 mil votos na frente do adversário.

Tradição.  Antes de 2004 (1992, 1996 e 2000) e depois (2008 e 2012), o candidato que saiu do 1º turno na frente confirmou a vitória no 2º.

Equidistante.   Um ponto em comum com a eleição de 2004 é que a diferença entre Marcelo e Artur, de 106.789 votos, é praticamente a mesma que Amazonino deixou escapar para Serafim naquele ano.

Votos contra.  Outro alento a Marcelo - e que ele explora nos discurso desde domingo, 2 -, é a quantidade de eleitores que preferiram votar nos outros candidatos: 414.225 mil (39,96% do votos válidos), 49.738 a mais que a votação que deu a liderança a Artur no 1º turno (364.487 - 35,17% do votos válidos).

Outro tabu. Enquanto o histórico do resultado do 1º turno se repetir no 2º favorece Artur, o da reeleição não é bom. De 1992 até aqui, o único prefeito que governou Manaus por dois mandatos seguidos foi Alfredo Nascimento (PR), eleito em 1996 e reeleito em 2000.

Sem contágio.  Estratégia pública e comum a Artur e Marcelo é a de manter distância do vice-governador Henrique Oliveira (SD), 8º colocado na disputa. Nenhum dos dois quer correr o risco de contaminar a campanha com a impopularidade que o cargo de vice-governador carrega nesse momento.

Então tá.  Henrique trata com humor a repulsa ao nome dele no 2º turno. Questionado sobre quem ele vai declarar apoio, o político declarou ontem: “Vou pedir para minha família e amigos me aconselharem. Mas um já afirmou que não aceita meu apoio”.

Diabo da cruz.  No dia 2, após o resultado da votação, o prefeito declarou que quer distância de Henrique. Apenas os eleitores do vice-governador são bem-vindos, afirmou o tucano.

Restart.  No âmbito da Justiça Eleitoral, todas as brigas envolvendo a propaganda dos dois candidatos que foram para o 2º turno, como os direitos de respostas, foram zeradas. Daqui para frente, é outra eleição.

On.  A propaganda na TV e no rádio inicia no dia 15 e termina no dia 28, dois dias antes da votação, 30.

Com a incerteza. O presidente municipal do PMDB, vereador reeleito Marcel Alexandre, diz que entre o resultado “possivel” e o “talvez”, a sigla fez o “talvez”. Segundo as projeções, a sigla elegeria um vereador, talvez dois. Fez dois.

Modéstia.  Marcel vai ter como colega de legenda Gedeão Amorim. Segundo o vereador, a dobradinha dele com Gedeão, em qualidade, só fica atrás da união entre Artur e Marcos Rotta (PMDB).