Publicidade
Editorial

Volta por cima

21/04/2017 às 21:16 - Atualizado em 21/04/2017 às 21:21
Show minist rio do trabalho0333

A crise é para todos. E um dos principais sintomas da situação complicada que a todos acomete são os índices de desemprego. Os números não mentem. De janeiro a março deste ano, o Amazonas perdeu 4,7 mil empregos, segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho.

Todos os setores foram afetados, uns mais, outros menos. Só o comércio, por exemplo, perdeu 1.652 postos de trabalho, seguido de perto pela construção civil, com redução de 1.323 vagas no primeiro trimestre.

É isso mesmo. O principal motor da economia do Amazonas também é um dos mais afetados pela crise. Uma situação que para muitos pode parecer desesperadora, mas não o estudante Pyerk Lima, 24, que na última quinta-feira segurou por algumas horas um cartaz com o pedido de emprego, na avenida Constantino Nery, Zona Centro-Sul. Após a atitude ousada - Pyerk ficou algumas horas na avenida exibindo o cartaz em que pedia emprego. O jovem de 24 anos recebeu ao menos 40 ligações de pessoas interessadas em ajudá-lo. Ele tem entrevistas marcadas para os próximos dias, além dos pedidos para avaliação de currículo.

Pyerk com seu cartaz é o retrato de um País em reconstrução, com oportunidades cada vez mais escassas, mas onde a solidariedade ainda faz uma grande diferença. As estatísticas indicam redução no índice de inflação para este ano. Tudo bem que a perda do poder de compra da população e a redução nas compras é o principal motivo da queda nos preços e, consequentemente, dos índices de inflação. É fato que o País ainda enfrentará vários meses de recessão, mas também é fato que sempre há oportunidades para o talento e para aqueles que não temem apostar nas boas ideias. A crise continua, mas a virada fica mais próxima a cada dia.

E  isso independe de orientações de esquerda, de direita ou de centro. A recuperação virá, e terão destaque aqueles que se prepararem para a nova etapa. É hora de ter ousadia, de criar novos caminhos, novas opções de trabalho e renda. O futuro virá para todos, mas será mais produtivo para aqueles que souberam se preparar nos tempos de dificuldade.