Sexta-feira, 24 de Maio de 2019
Editorial

ZFM em situação crucial


zona_franca_3_64089687-FE69-4C71-A258-F8A7E5B102DE.JPG
23/04/2019 às 07:03

Os discursos contrários e favoráveis à Zona Franca de Manaus estão agudizados, com uma diferença básica, o movimento para ajustar o Brasil na perspectiva do que quer e pretende o ministro da Economia, Paulo Guedes, afeta drasticamente o modelo. A romaria de autoridades do Executivo e do Legislativo amazonenses para Brasília está em plena temporada, porém até agora nada efetivo, a não ser a indicação do próprio desastre a vista. É essa mudança na forma de tratar a agência do desenvolvimento do Amazônia e de parte da Amazônia Ocidental que necessita ser compreendida e mudada.

Acordos feitos em outras bases que possam superar intrigas partidárias, disputas pelo papel de líder regional e local e desconhecimento sobre o que é a ZFM, a vinculação do Amazonas a esse modelo e o valor agregado que o Polo Industrial de Manaus representa ao País formam o cenário complicador que insistentemente se repete. Os próximos momentos são cruciais tanto pelas decisões que serão oficializadas quanto pelo jogo econômico mundial centrado numa economia globalizada.

Há no Amazonas, técnicos competentes para debater a situação atual da ZFM e o futuro dela. Falta determinação política e administrativa de colocar o assunto em pauta, com a responsabilidade que exige a fim de que o Estado tenha em médio e longo prazo condições de vencer o garrote ao qual o modelo foi colocado. A outra questão é o nível de desemprego no Amazonas e a falta de espaços para assegurar empregabilidade aos que chegam ao mercado de trabalho. Com ritmo de crescimento populacional acelerado, o Estado poderá vir a ser transformado em um espaço onde parte dos habitantes vagueiam desesperadamente para conseguir trabalho, comida, um sentido de viver.

Quando se chega a esse nível, todos perdem. Ganham os que investem nos negócios da violência, do terror e da angústia. Por enquanto, o clima é de preocupação e reconhecer que as possibilidades possíveis não foram construídas, o que torna o grau de dificuldade bem maior. O Estado brasileiro tem constitucionalmente o dever de agir para garantir ordem, progresso e bem-estar a todos os brasileiros. A ZFM veio como parte da ação do governo federal, nos anos de 1960, selada pelo compromisso de desenvolver e proteger a Amazônia, integrando-a. A tarefa não está completa e o governo deve ser chamado a reconhecer essa situação, independente do humor da hora.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.