ELEIÇÕES 2022

Alfredo diz que palavra final sobre alianças do PL será dele

Presidente do Partido Liberal no Amazonas, ex-prefeito diz que prioridade é montar palanque para Bolsonaro no Estado

Redação de A Crítica
29/06/2022 às 11:21.
Atualizado em 29/06/2022 às 11:21

Alfredo Nascimento é o entrevistado do episódio 51 do podcast do Sim e Não (Jeiza Russo)

O ex-prefeito de Manaus, Alfredo Nascimento, falou sobre as Eleições 2022 em entrevista ao podcast do Sim e Não. Alfredo, que é presidente estadual do PL e pré-candidato a deputado federal, desautorizou o ex-superintendente da Suframa Coronel Menezes a falar pelo partido no processo de escolha de nomes para vice-governador na chapa do governador Wilson Lima (UB).

Ele sinalizou que a própria indicação de Menezes, para disputar o Senado nesta composição, encerra o debate sobre um possível vice, uma vez que o PL já estaria contemplado na chapa majoritária (Governo e Senado são cargos majoritários).

“Quem define isso sou eu. O presidente do partido sou eu”, afirmou Alfredo quando questionado sobre costuras para indicar vice de Lima. Ele ressaltou que a prioridade do partido, no Amazonas, é formar um palanque para a candidatura de Jair Bolsonaro. O presidente da República trocou o PSL pelo PL para tentar a reeleição.

“Minha primeira providência na eleição é ter um palanque para o presidente Jair Bolsonaro. Em que condição? Participando da chapa majoritária”, afirmou Alfredo, sinalizando que, apesar da possibilidade de indicar o vice de Wilson Lima não estar descartada, a escolha de Menezes como candidato ao Senado, nesta composição, contempla a exigência.

“Menezes é candidato ao Senado, candidato do presidente. O próprio presidente me disse”, lembrou Nascimento, afirmando que é com esse nome “na mesa” que tem conversado com “governador, prefeito e até outros partidos”. “Só não faço aliança com quem é de esquerda”, pontuou.

Câmara mais disputada

Alfredo afirmou que pelas novas regras, este ano a eleição para Senado será mais fácil que a de deputado federal. Ele prevê que cada um dos sete maiores grupos políticos eleja um parlamentar para a Câmara. Como são oito vagas, apenas um desses sete conseguirá eleger dois nomes. 

“Meu partido vai fazer um. Não tenho dúvida que a gente faz um nome. Agora, o segundo, é loteria”, declarou. O PL vai lançar, para deputado federal, os nove candidatos permitidos em lei. Além do Alfredo, o partido tem outro nome de expressão na disputa, que é o deputado federal Capitão Alberto Neto. 

Gastos

Alfredo, que foi ministro das gestões petistas de Lula e Dilma, está mesmo “fechado com Bolsonaro”. Ele defendeu na entrevista a concessão de benefícios sociais pelo governo do presidente Bolsonaro a menos de quatro meses da eleição de outubro.  Para Alfredo, a ampliação do Auxílio Brasil de R$ 400 para R$ 600, além da concessão de uma bolsa caminhoneiro que pode variar entre R$ 400 a R$ 1000 para aliviar a pressão do preço do diesel vai ajudar a reduzir a inflação que atualmente supera os 11%.

“A inflação subiu, sim. Não está fora de controle. Essas medidas do governo de reduzir IPI, o aumento do Bolsa Família (Auxílio Brasil), o pagamento de uma bolsa para o caminheiro. Isso tudo vai dar uma equilibrada na inflação”, disse o pré-candidato.

Confira a entrevista na íntegra:

Assuntos
Compartilhar
Sobre o Portal A Crítica
No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.
Portal A Crítica© Copyright 2022Todos direitos reservados.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por