"Mandioca": 11 resultados

Sopa de Mandioca

O carnaval está chegando e nada melhor que uma receita de sopa para ajudar os foliões, que terão muita ressaca para curar

20/02/2014

Farinha de mandioca duas vezes mais cara do que o feijão

Disparada do preço transformou o produto no item mais enviado de barco dos municípios do interior para a capitalA alta do preço da farinha de mandioca, duas vezes mais carado que o feijão, que já foi um dos itens mais caros do prato da culinária doamazonense, provocou um fenômeno atípico no movimento de encomendas enviadas dointerior do Estado para a capital. A observação é de Dennis Coimbra, dono dobarco Densis Coimbra, que há 17 anos faz viagens entre Borba (AM) e Manaus. Mais do que manter o costume de rever amigos na chegada dobarco, a busca pela farinha nossa de cada dia no porto da cidade responde aoaumento de mais de cerca de 250% que o produto registrou na região Norte desdeo ano passado. No vale do Juruá, de onde a cidade de Manaus compra grande parteda farinha, o preço registrou subida de até 240%.O ajudante de pedreiro Moisés Silva, 35, que tem família noMunicípio de Borba conta que depois que o preço farinha aumentou em Manaus sócome o produto quando o sogro envia. “Ele manda porque é mais fácil e porque,em Manaus, a farinha está sendo vendida pelo dobro do preço de um ano atrás”,disse o pedreiro.No serviço de encomenda dos barcos, a velha carta, meio decomunicação ultrapassado frente aos modernos aplicativos telefônicos e doe-mail, ainda são um capitulo a parte. Segundo Denis Coimbra, pelo menos cincocartas e bilhetes são enviados a cada viagem que faz. As pessoas esperamansiosas pelo contato dos familiares e, em muitos casos, quando o barco demorapara chegar ou não faz a viagem as pessoas ficam com raiva pela demora. E as tradições não param nas cartas, o livro de encomendas,que faz o controle de tudo que vai a bordo, é uma verdadeira relíquia quedocumenta e guarda os detalhes do costume amazônico. O conferente MarlonCastro, 36, explica que o método de registrar as encomendas no livro que tambémfaz parte da tradição dos rios amazônicos é muito importante por que com ele épossível evitar confusões que acontecem quando alguém pega a encomenda e dizque não pegou. “Já me livrei de algumas confusões por que guardo os livros deregistro”, acrescentou o conferente.ConfiançaPara a dona de casa Maria Evita Pereira, 28, enviar ereceber encomenda por barco é mais seguro do que utilizar os correios. Arelação de confiança criada entre quem manda a encomenda e o conferente dobarco, responsável por entregar o pacote ao destinatário, chega ser uma questãode fidelidade. “Enviar e receber encomendas é melhor porque nós conhecemos obarco e as pessoas que trazem que normalmente são da cidade”, disse a dona decasa. Os itens enviados são os mais variados segundo o conferenteMarlon Castro, 36, e vão desde o peixe, a farinha, as frutas e cartas atéquantias em dinheiro que poderiam ser depositadas facilmente nas agenciasbancárias. De acordo com Marlon quem manda encomenda por barco se sente maisseguro pela confiança passada por quem transporta a mercadoria.

02/10/2013