Segunda-feira, 12 de Abril de 2021

Amom responde a colegas após polêmica por não usar o 'Cotão'

Criticado por William Alemão e Capitão Carpê por não usar verba pública para o exercício parlamentar, Amom reafirmou posição de custear mandato com recursos próprios


vereads_34FF7B76-409A-438A-8D0F-135CD21C422C.JPG

O vereador Amom Mandel, do Podemos, rebateu insinuações feitas por colegas parlamentares de que ele não fazia uso da Cota Parlamentar, o Cotão, porque não ia às sessões. As declarações partiram dos vereadores William Alemão (Cidadania) e Capitão Carpê (Republicanos), na sessão desta segunda-feira. 

William, que figura entre os vereadores que menos gastou o 'Cotão', disse que roda cerca de 250 quilômetros por dia para fazer o trabalho de fiscalização nas ruas e alfinetou o colega. "Ouvi esses dias, inclusive, um dos nossos nobres colegas, dizendo que não precisa usar a verba CEAP, porque … Primeiro que ele não vem nem aqui, né!”, disse Alemão.  Já Carpê, que gastou mais de R$ 30 mil, dos R$ 36 mil disponíveis nos dois primeiros meses de mandato, afirmou que "quem trabalha realmente precisa de estrutura. Quem não trabalha, infelizmente não precisa".

Em resposta a ambos, mesmo que sem citar os nomes, Amom afirmou, via assessoria, que nunca faltou a uma sessão plenária sequer, "estando sempre presente nas votações e proposições na Câmara Municipal de Manaus, seja presencialmente, como nas diversas ocasiões retratadas pela mídia e nas redes sociais, seja de forma híbrida". Ele reforçou o fato de que pretende não usar o Cotão por uma política e decisão próprias, "gastando do seu próprio bolso para custear o mandato com o salário de vereador, fiscalizando o Poder Executivo e exercendo o seu papel como parlamentar".

Os vereadores que mais gastaram nos dois primeiros meses, Lissandro Breval (Avante) e Raulzinho (PSDB), que usaram toda a verba disponível, não se manifestaram.
 


Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.