Segunda-feira, 12 de Abril de 2021

Em missa, Padre Charles, de Manaus, faz duras críticas ao governo Bolsonaro

Religioso afirmou que presencia circo de deboches e que governo tem crueldade com a dor humana. 'Se quiserem me prender pelo que estou dizendo, estarei aqui'


charles_C0805D3E-5BCC-4705-8F14-0070DAC35656.jpg Foto: Marcio James / Semcom

Uma das figuras mais influentes da Igreja Católica no Amazonas atualmente, o Padre Charles Cunha aproveitou a celebração religiosa do último domingo (7) para disparar críticas ao presidente Jair Bolsonaro - ainda que sem citar o nome dele.

Em uma parte da homilia, de pouco mais de 6 minutos, publicada pelo próprio padre em suas redes sociais, ele afirma que “não tem mais medo de dizer que não acredita nesse governo” e que presencia um ‘circo de deboches’. “Se em governos anteriores éramos ridicularizados pela corrupção, hoje somos ridicularizados pelo despreparo, pela insanidade e pela crueldade para com a dor humana”. 

Em outro momento, o religioso afirma que muitos morreram e muitos outros ainda morrerão por atraso na definição para a compra de vacinas contra a Covid-19. “O resultado está aí: um país que chora a sua morte”. Veja a íntegra abaixo:

 

O padre afirmou que o trecho do Evangelho deste domingo - principal  momento de leitura da Bíblia de uma celebração católica - o encorajou a dizer tudo que estava dizendo. O trecho bíblico deste domingo falava sobre cambistas que usavam de templos religiosos para a venda de seus produtos. “Se quiserem me prender pelo que estou dizendo agora, (...) eu estarei aqui para ser preso, como aqueles no passado foram presos e mortos porque se colocaram contra o que estava posto”. 

O religioso afirmou, ainda, que se for chamado pelo seu superior, o arcebispo de Manaus Leonardo Steiner, irá escutar o que ele tem a dizer, mas cravou: “não recuarei de nenhuma palavra que aqui disse”.


Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.