Terça-feira, 19 de Janeiro de 2021

No Twitter: juíza sugere trancar participantes de festas clandestinas na Arena da Amazônia

"Vírus e hospedeiros juntos. Liga o som e deixa lá", escreveu no Twitter ao criticar quem fura o isolamento social para ir às festas


Jai_za-Fraxe_30DECC84-4741-417B-B4A8-AA632862D7D2.jpg

A juíza federal Jaíza Pinto Fraxe teve um de seus tuítes compartilhado por centenas de internautas ao manifestar opinião sobre o lockdown no Amazonas. No microblog, a magistrada escreveu: “O lockdown que eu sonho é trancar todos os participantes de festas clandestinas na Arena e deixar lá até o fim da pandemia. Vírus e hospedeiros juntos. Liga o som e deixa lá”. 

Auxílio - Em seguida, a juíza defendeu o pagamento de um auxílio aos que, porventura, ficarão prejudicados economicamente com o novo decreto impulsionado por uma decisão judicial. “Janeiro sempre foi mês “lockdown". Férias coletivas, comércio magro, restrito a material escolar. Manifestante que quer ajudar a salvar vidas, deve conciliar as medidas restritivas com um auxílio financeiro do Estado aos pequenos pelo período das restrições. Essa é uma medida boa”. 

A Justiça do Amazonas deferiu, na tarde do último sábado (2), um pedido feito pelo Ministério Público do Amazonas (MP-AM) que determina a suspensão imediata de atividades não essenciais no Estado pelo prazo de 15 dias.  A Associação PanAmazônia ingressou com Mandado de Segurança pedindo a revogação da decisão. O desembargador plantonista, Délcio Luis Santos,  no entanto, decidiu tecnicamente por manter o fechamento do comércio. Isso porque, segundo ele, não é cabível a utilização do Mandado de Segurança para atacar ato judicial passível de recurso.


Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.