Publicidade
Manaus
GELADOTECA

‘Geladeira’ convida as pessoas para desfrutar de uma boa leitura na parada de ônibus

Eletrodoméstico recheado com livros deixado em parada de ônibus estimula a leitura e o compartilhamento de conhecimento 09/08/2017 às 22:15 - Atualizado em 10/08/2017 às 01:23
Show livros
O idealizador da "geladeira biblioteca" ainda é desconhecido, mas mesmo assim tem inspirado universitários a doarem livros. Foto: Antônio Lima
Álik Menezes Manaus (AM)

Desde a última segunda-feira (7), uma geladeira foi deixada na parada de ônibus em frente ao Instituto Nacional de Pesquisa da Amazônia (Inpa), localizado na avenida General Rodrigo Otávio, na Zona Sul, e vem atraindo a atenção de universitários que esperam ônibus no local.

Na porta da geladeira foi escrito: “Geladoteca” e um convite para que as pessoas “abrir, pegar, ler e devolver” os livros que estão guardados. Apesar do espanto, o estudante de engenharia florestal Bruno Pimentel de Souza, 18, aprova a iniciativa da pessoa que deixou a geladeira no local, que até ontem era desconhecida. “Foi bem estranho chegar aqui e me deparar com uma geladeira biblioteca, mas é uma ótima iniciativa porque incentiva as pessoas a lerem. Ler é bom, é um incentivo para a sociedade e uma forma até de cutucar as autoridades sobre a importância de se promover a leitura”, disse.

O jovem Bruno e outros amigos tentaram descobrir quem idealizou a “Geladoteca”, mas não tiveram sucesso e ficaram tristes porque queriam parabenizá-la. “Você quase nunca vê esse tipo de iniciativa, eu queria muito encontrar esse cara ou essa moça,  dar os parabéns e tentar até doar alguns livros”, completou.

Para o estudante de educação física Lucas de Souza, 22, a ideia é fantástica porque há pessoas que não têm tanto acesso a  informações e a “Geladoteca” pode contribuir com a formação daqueles que passam pelo local diariamente, além de ser um passatempo enquanto eles esperam o transporte coletivo.

O estudante aprovou tanto a iniciativa que pretende fazer uma doação nos próximos dias. Segundo Lucas, a ideia da doação é positiva porque há muitos livros esquecidos nas estantes das casas e o conhecimento precisa ser compartilhado. “Essa é uma ideia que deve ser incentivada. Vou verificar os livros que tenho em casa e vou trazer para ajudar no acervo da geladeira. O conhecimento é vivo, ele precisa ser levado para outras pessoas”, afirmou.

O estudante de geografia Danielson Pereira, 21, também aprovou o projeto e defende que  a iniciativa seja copiada pelos governos estadual e municipal como forma de disseminar e incentivar cada vez mais a leitura em diversos locais. “São ideias como essa que devem ser copiadas. Os governos deveriam incentivar mais e apoiar esse tipo de ideia, mas tenho até medo que eles tirem essa geladeira alegando que vai sujar ou prejudicar a passagem das pessoas”, disse ele.

Receio de que vire alvo de vândalos

Os usuários da parada de ônibus temem que a “Geladoteca” seja retirada do local nos próximos dias ou que seja alvo de vandalismo durante a madrugada, quando não há ninguém no ponto.

Segundo a estudante de química Rebeca Campos, 19,   o principal medo dos universitários é que, sem nenhum tipo de fiscalização, os livros sejam rasurados furtados, rasgados, jogados fora e até que a geladeira também seja alvo de vândalos. “Normalmente esse ponto de ônibus é bem movimentado, mas durante a madrugada ninguém fica aqui. Então, esse projeto vira alvo fácil de marginais e uma linda iniciativa como essa acaba sendo jogado no lixo”, disse a universitária.