Publicidade
Manaus
INOCENTE

Preso há 4 dias por estupro, homem é solto após garota de 12 anos confessar ter mentido

Segundo o advogado da vítima, a jovem inventou a história, pois tinha "matado" aula para manter relação sexual com o namorado de 15 anos 17/10/2017 às 09:06 - Atualizado em 17/10/2017 às 16:45
Show 8744
O homem foi colocado em liberdade (Foto: Divulgação)
Fábio Oliveira Manaus (AM)

A adolescente de 12 anos que acusou Francimar Bezerra da Cruz, de 40 anos, no dia 12 deste mês, por estupro de vulnerável, no bairro Aleixo, Zona Sul de Manaus, confessou para a Polícia Civil, no último sábado (14), que mentiu e que o suspeito não cometeu nenhum abuso. Segundo o advogado de Francimar, André Duarte, a jovem inventou a história, pois tinha “matado” aula para manter relação sexual com o namorado de 15 anos. O homem de 40 anos chegou a ir para o Centro de Detenção Provisória (CPD), onde sofreu torturas psicológicas.

Francimar passou quatro dias no CDP por prisão preventiva. Ele só foi solto, porque o pai da menina passou a desconfiar da versão dela e conseguiu, por meio de câmeras de segurança, flagrá-la andando com o namorado no horário em que disse ter sido estuprada.

Francimar foi visto em outro local, no bairro, com o sobrinho. Ele foi apontado aleatoriamente pela jovem. Logo após, o pai da garota foi à polícia e procurou o advogado André Duarte, que solicitou a soltura.

“Meu cliente chegou às 7h15 no trabalho e, por volta de 9h, seu patrão o mandou trabalhar em outro galpão, que fica no Ramal do Brasileirinho. Todas essas testemunhas, inclusive sobrinhos dele, poderiam testemunhar na delegacia, mas a delegada não quis ouvi-los”, disse o advogado, revelando que o Estado será processado.  Francimar é cozinheiro profissional, trabalha numa sucataria, e três funcionários, além do patrão, confirmaram que ele estava trabalhando.

A farsa

De acordo com o advogado, seu cliente foi acusado injustamente, porque a jovem precisava apresentar uma justificativa para os pais para a sua demora. “Ela disse aos pais que no caminho da escola, dois homens a pegaram, colocaram em um carro Gol, de cor preta, e a levaram para uma casa, que ela não soube informar”, explicou.

Ainda segundo o advogado, os próprios pais da adolescente resolveram investigar o caso. “Não sei como, mas o pai da jovem conseguiu chegar a casa, onde ela diz ter sido abusada. Nessa casa, os proprietários afirmaram que nada havia acontecido. Então, o pai conseguiu imagens de uma câmera de segurança na rua e, nela, aparecem o Francimar e o sobrinho,  por volta de 6h50. O meu cliente levava o sobrinho para a escola e depois seguiu para o seu trabalho”, afirmou.

O pai da adolescente foi procurado pela reportagem e informou que não poderia falar.

Investigação não terminou

A delegada titular da Depca, Juliana Tuma, informou que não participou do flagrante, mas que a delegacia trabalhou com os elementos que tinha no momento.

 “O que posso dizer é que nós (policiais) trabalhamos com os elementos que temos, mas de todo modo, essa oitiva (depoimento) foi enviada a justiça e foi revogada a prisão preventiva dele”, explicou. “Realmente ela voltou atrás do que havia dito, mas talvez eu teria tomado a mesma decisão da Greice (delegada responsável pela prisão de Francimar). Eu não posso julgar agora, o que posso dizer é que ela mudou o depoimento, mas não quer dizer que é a versão final dela, e que esse procedimento será concluído e remetido à justiça”, finalizou a titular da DEPCA. A delegada Greice Souza Jardim não foi localizada.