Publicidade
Manaus
MORTE DE BRITÂNICA

Suspeito de envolvimento no latrocínio de esportista britânica é preso em Codajás

Polícia Civil cumpriu mandado de prisão preventiva, neste sábado (20), após "Nilsinho" ter sido detido por suspeita de tráfico de drogas. Ele é o quinto suspeito de envolvimento na morte da britânica Emma Kelty, 43, a ser preso 20/01/2018 às 14:18 - Atualizado em 20/01/2018 às 14:26
Show img 20180120 wa0076
Foto: Divulgação
acritica.com* Manaus (AM)

Erinilson Ferreira da silva, 24, conhecido como “Nilsinho”, suspeito de estar envolvido no latrocínio da esportista britânica Emma Kelty, foi preso na manhã de sexta-feira (19) no município de Codajás (a 240 quilômetros em linha reta de Manaus). Nilsinho foi detido por suspeita de tráfico de drogas e, na manhã deste sábado (20), a Polícia Civil do Amazonas (PC-AM) cumpriu mandado de prisão preventiva contra ele por latrocínio.

A britânica Emma Kelty, 43, foi morta no dia 13 de setembro de 2017, na Ilha do Boeiro, Comunidade Lauro Sodré, em Coari (a 363 quilômetros de Manaus).

De acordo com o delegado José Afonso Barradas, titular da Delegacia Interativa de Polícia (DIP) de Coari, que está à frente das investigações em torno do caso, “Nilsinho” foi interceptado por policiais militares em via pública e, logo que constatado que ele é um dos envolvidos no crime, foi conduzido ao 78ª Delegacia Interativa de Polícia (DIP) de Codajás, onde foram realizados os procedimentos cabíveis.

O acusado foi abordado em Codajás na manhã de sexta-feira por volta das 11h, pelo 3° sargento Francisco Cláudio Sabóia, que estava de folga e passeava pela orla da cidade quando identificou "Nilsinho" em atitude suspeita. O sargento fez a abordagem e pediu apoio da guarnição composta pelo aspirante Diego Alves Piccolotto e o soldado Anízio Vieira.

"Tínhamos informações de que na cidade havia chegado algumas pessoas trazendo droga de Tefé. O sargento Sabóia percebeu que o rapaz estava nervoso. Ele foi abordado e demonstrava estar apreensivo, daí foi levado para o DIP. Durante a abordagem, ele jogou alguma coisa no chão. Mas não encontramos nada. A suspeita inicial era de envolvimento com o tráfico. Ele foi conduzido à delegacia e logo recebemos a informação de que ele era um dos suspeitos de envolvimento no latrocínio da britânica", explicou o aspirante Piccolotto.

De acordo com o delegado Barradas, as investigações sobre a morte da britânica contam com o apoio de policiais civis lotados na Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), com sede em Manaus.

“A Comunidade Lauro Sodré fica a duas horas, em via fluvial, do centro de Coari. Todas as vezes que nos deslocamos ao local o infrator conseguiu empreender fuga antes da chegada da polícia. O jovem também é envolvido com o tráfico de drogas em Codajás”, explicou.

Barradas relatou que Erinilson é conhecido por revender objetos oriundos de ações criminosas, praticadas juntamente com outros comparsas, usuários de drogas. Os infratores eram chamados de “ratos d’água” e cometiam delitos em momentos oportunos.

O grupo vinha atuando nos munícipios de Coari e Codajás, roubando mercadorias, cometendo homicídios e comercializando drogas. No caso da britânica, os sete infratores que participaram do latrocínio ocultaram pertences de menor valor e venderam outros itens, como celular, drone e uma câmera GoPro, de propriedade da vítima.

Erinilson foi indiciado por latrocínio, receptação, ocultação de cadáver e associação criminosa. Ao término dos procedimentos cabíveis na 78ª DIP de Codajás, ele será encaminhado à Unidade Prisional de Coari (UPC), onde irá permanecer à disposição da Justiça.

O irmão de Erenilson, identificado como Erimar Ferreira da Silva, 27, conhecido como “Chico”, também envolvido no latrocínio, teve a prisão preventiva decretada e está sendo procurado pela polícia.

Entenda o caso 

No dia 13 de setembro de 2017, por volta das 22h, o Comando do 9° Distrito Naval (Com9ºDN) foi informado que o localizador de emergência da britânica Emma Kelty, que estaria realizando canoagem esportiva no Rio Solimões, havia sido acionado.

A Marinha do Brasil iniciou, na manhã da quinta-feira, dia 14,  as buscas para tentar localizar a britânica. Já na tarde de sexta-feira, dia 15, alguns objetos de Emma Kelty, como roupas, sapatos e o caiaque foram encontrados na Comunidade Lauro Sodré.

No domingo, dia 17, a Marinha do Brasil encaminhou os objetos ao 6º Distrito Integrado de Polícia (DIP), onde foi realizado o Auto de Exibição dos materiais. Na DIP de Coari foi instaurado um Inquérito Policial (IP), de nº 44/2017, para investigar o caso.

A Polícia Civil do Amazonas, após ser acionada pela Marinha do Brasil, enviou uma equipe, composta por sete investigadores lotados no Departamento de Polícia do Interior (DPI), quatro investigadores que atuam na Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS) e dois escrivães da instituição, ao município de Codajás para auxiliar nas diligências em torno do caso.

Um adolescente de 17 anos foi apreendido e outros três elementos, identificados como Jardel Pinheiro Gomes, 19, o “Kael”; Erinei Ferreira da Silva, 28, chamado de “Alfinete”, e Arthur Gomes da Silva, conhecido como “Bera” foram presos por envolvimento no delito.

Evanilson Gomes da Costa, 24, chamado de “Baia”, também envolvido no latrocínio da britânica, foi vítima de homicídio ocorrido na madrugada do dia 20 de setembro de 2017, em Coari.

*Com informações da assessoria de imprensa.

Publicidade
Publicidade