Publicidade
Manaus
DÉFICIT

Vagas em creches da rede municipal de ensino são insuficientes para demanda

Semed está à procura de prédios para alugar nas Zonas Leste e Norte da capital e garantir que os mais de 47 mil novos alunos que devem ingressar na rede municipal em 2018 tenham local para estudar 14/12/2017 às 22:38 - Atualizado em 15/12/2017 às 07:01
Show cidades
Kátia Schweickardt reconheceu o déficit em coletiva de imprensa nessa quinta-feira (14). Foto: Jair Araújo
Álik Menezes Manaus (AM)

As 2.600 vagas oferecidas em creches da rede municipal de ensino não são suficientes para atender a demanda da capital amazonense. A afirmação é da titular da Secretaria Municipal de Ensino (Semed), Kátia Helena Schweickardt. Ela também afirmou que a pasta ainda está à procura de novos prédios para alugar nas zonas Leste e Norte da capital e garantir que os mais de 47 mil novos alunos que devem ingressar na rede municipal em 2018 tenham local para estudar, problema que a pasta  promete equacionar até o início do ano letivo. 

Questionada sobre a quantidade de vagas que seriam ofertadas em 2018 nas creches municipais, a secretária disse não saber ainda o número exato de novas vagas, mas reconheceu que há um déficit tanto de vagas quanto de estruturas para oferecer creches às crianças em Manaus. “Para creches nós estamos fechando esse número. Temos hoje 14 creches: nove são nossas e quatro conveniadas. Estamos oferecendo em torno de 200 (vagas) em casa uma. Então vai dar umas 2.600 vagas. Não é o suficiente, precisaríamos ter muito mais”, reconheceu.

Novas unidades

Schweickardt anunciou ainda que no próximo ano serão construídas 29 novas unidades escolares. Destas, sete serão creches e duas delas serão entregues no início do ano. Contudo,  mesmo assim, a capital amazonense ainda está longe de atingir a meta do Plano Municipal de Educação que, segundo a secretária, prevê que, até 2024, 50% das crianças em idade de creche esteja matriculadas.  “Isso dá em torno de 50 mil vagas até 2024... espero que a gente consiga”, disse. 

Segundo a titular da Semed, o problema não é simples de ser resolvido porque os recursos disponibilizados pelo governo federal são para a implantação das escolas, mas a manutenção é responsabilidade dos municípios. “Ele (governo federal) só aporta uma parte para a implantação dessas unidades. O grosso, que é a manutenção, fica por conta do município. Então não adianta a gente sair por aí construindo creches se depois para manter isso é muito difícil, porque você não tem esse orçamento, seria uma irresponsabilidade”, disse.

De acordo com a secretária, cada escola construída demanda R$ 4 milhões a mais no orçamento. “Nós precisamos construir, mas precisamos mantê-las. Então, precisa ter professores, entre outras coisas. Se eu inaugurar dez creches, eu tenho que enfiar 40 milhões no orçamento imediatamente. Isso precisa acompanhar o orçamento municipal e o orçamento do Estado e nem sempre essa equação fecha”, disse.

Rematrículas

As rematrículas para estudantes que já fazem parte das escolas públicas estaduais em todo o Amazonas e as municipais (em Manaus) são automáticas e acontecem de 18 a 29 de dezembro, mas os pais devem ficar alertas ao prazo. Segundo a Secretaria de Estado de Educação (Seduc)  e a Secretaria Municipal de Educação (Semed), são as próprias escolas onde os alunos já estudam que fazem a rematrícula automática. Em números, são 549.832 estudantes que devem ser rematriculados.

Matrículas começam 13 de janeiro

As novas matrículas para escolas públicas estaduais no Amazonas e municipais em Manaus começam em 13 de janeiro pela internet (clique aqui para acessar o site) ou pelo aplicativo Matrículas Amazonas. A partir de 15 de janeiro iniciam as matrículas presenciais para quem não conseguiu efetivar as matrículas pela web.

As datas foram divulgadas na manhã de ontem pelo Governo do Amazonas e pela Prefeitura de Manaus durante lançamento do calendário de matrículas para o ano letivo 2018. O anúncio foi feito no auditório do Centro de Formação Padre Anchieta (Cepan), localizado na avenida Waldomiro Lustoza, no Japiim 2, na Zona Sul.

No total, serão disponibilizadas 184.764 novas vagas para escolas públicas estaduais e municipais na capital amazonense. São cerca de 137.128 vagas na rede estadual e 47.636 vagas na rede municipal de ensino. Em coletiva à imprensa, os secretários de educação municipal e estadual, Lourenço Braga e Kátia Helena Schweickardt, respectivamente, divulgaram as datas e os números de vagas.

Falta estrutura para abrigar os alunos

Apesar de garantir que os novos alunos, que devem ocupar as 47.636 vagas, terão escolas para  estudar na rede municipal, a secretária da Secretaria Municipal de Ensino (Semed)  Kátia Helena Schweickardt, reconheceu a falta de estrutura da secretaria.

Ela disse que alguns prédios alugados estão sendo devolvidos por não oferecerem a estrutura devida e que a pasta está à procura de novos prédios para serem alugados até o início do ano letivo. 

Schweickardt disse que as zonas Leste e Norte são as que mais preocupam porque não há áreas disponíveis e há um grande número de alunos. “Ajustes estão sendo feitos”, disse.

Publicidade
Publicidade