Sexta-feira, 26 de Abril de 2019
publicidade
tia_e_idosa_F5A497F5-B2F9-406C-AFE8-431991C325D1.JPG
Tia e sobrinho tiveram os crânios esmagados pelo assassino. Foto: Divulgação
publicidade
publicidade

CRIME BÁRBARO

Houve latrocínio simulado em mortes de idosa e sobrinho na Redenção, diz delegado

“O assassino levou alguns objetos para caracterizar latrocínio”, informou o delegado Orlando Amaral


11/12/2018 às 18:15

Imagens de quatro câmeras de segurança de quatro residências da rua 10 do conjunto Hiléia, na Zona Centro-Oeste, vão ajudar a polícia identificar o assassino do vendedor  Alexsandro Mateus Araújo de Lima, de 31 anos, e a tia dele Arlete Almeida de Araújo, de 70. As vítimas foram encontradas mortas dentro da própria casa no dia 5 deste mês por um amigo de Alexandro. Tia e sobrinho tiveram os crânios esmagados pelo assassino.

Ontem, o delegado Orlando Amaral, titular da Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), afirmou que os trabalhos estão bem adiantados. Segundo ele, 12 pessoas, entre amigos, vizinhos e familiares, já foram ouvidos em termo de declaração e a conclusão prévia da polícia é que trata-se de um caso de latrocínio simulado. “O assassino levou alguns objetos para caracterizar latrocínio”, explicou Amaral, que preside as investigações.

O delegado afirmou que as imagens serão analisadas cuidadosamente, já que Alexandro era uma pessoa muito bem relacionada e que recebia muitos amigos em casa.  “As investigações estão caminhando em passos largos e logo chegaremos ao criminoso dos dois”, disse.

Amigo desconfiou

publicidade

Alexsandro e Arlete foram encontrados mortos, despidos e com as cabeças esmagadas cada um em um banheiro da casa. Segundo a irmã do vendedor, Marizete Araújo de Lima, 47, os corpos foram encontrados por um amigo de Alexandro que estranhou a sua ausência no trabalho.

O amigo pulou o muro, viu as marcas de sangue pela janela e acionou a polícia. “Não sabemos o que pode ter acontecido porque não temos até agora nenhuma pista. Mas a casa está bagunçada e parece ter sido tentativa de roubo também”, afirmou a irmã, na época do crime.

Ainda segundo Marizete, dias antes do crime eles chegaram a trocar mensagens pelo celular.  “Ele me mandou uma foto dele com a titia. Pelos relatos dos colegas que decidiram vir procurá-lo, ele estava sem ir ao trabalho desde segunda-feira”, contou ela.

Conforme a polícia, a principal suspeita é de que o crime tenha sido cometido por alguém com quem Alexsandro tivesse um relacionamento ou outra pessoa muito próxima da família. Possivelmente essa pessoa tivesse a chave da casa e, por isso, não foram encontrados sinais de arrombamento. O local estava revirado, mas apenas caixas de relógios vazias foram encontradas.

publicidade
publicidade
Sobe para 24 total de mortos na tragédia na Muzema, no Rio de Janeiro
Número de mortos em desabamento de prédios no Rio de Janeiro sobe para 20
publicidade
publicidade
publicidade
publicidade

publicidade
publicidade

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.