Terça-feira, 16 de Julho de 2019
MORTE NO PORÃO

MPE-AM denuncia delegado Gustavo Sotero por homicídio triplamente qualificado

Segundo o MPE-AM, o delegado deve ser penalizado conforme o art. 121, do Código Penal, pois o homicídio do advogado Wilson Justo Filho foi cometido com três agravamentos



gustavo.JPG O delegado permanece preso na Delegacia Geral do Amazonas (Foto: Arquivo Pessoal)
14/12/2017 às 08:18

O Ministério Público do Estado do Amazonas (MPE-AM) denunciou o delegado Gustavo Sotero por homicídio triplamente qualificado pelo assassinato do advogado Wilson Justo Filho no dia 25 de novembro no bar do Porão do Alemão. O autor usou uma pistola Taurus .40 e deixou outras três pessoas feridas durante o crime.

Segundo o MPE-AM, o delegado deve ser penalizado conforme o art. 121, do Código Penal, e incisos II, III e IV. O órgão destaca que o homicídio foi qualificado por ter sido cometido por motivo fútil (inciso I); por ter apresentado perigo comum (inciso III); e recurso que dificultou a defesa do cometido (inciso IV).

O Ministério Público também denunciou o delegado conforme o art. 14, do Código Penal, por ter disparado três vezes contra as vítimas Fabiola Rodrigues Pinto de Oliveira, Maurício Carvalho Rocha e Iuri José Paiva Dácio de Souza. Nesse quesito, o MPE-AM utiliza na denúncia o inciso II, por "tentado, quando, iniciada a execução, não se consuma por circunstâncias alheias à vontade do agente".

Legítima defesa

Durante depoimento na delegacia, o delegado Gustavo Sotero, alegou que agiu em legítima defesa. Segundo ele, a confusão iniciou quando Gustavo atirou deliberadamente na perna da esposa de Wilson, Fabíola Oliveira. 

Sotero também afirmou que foi surpreendido com um soco e que chegou a pedir para o advogado parasse a agressão. O delegado também alegou que não conhecia a  Wilson Justo, e que não teve noção de que atirou em outras pessoas.

Imagens

Vídeos do circuito interno do Porão do Alemão mostram o início da briga entre o delegado Gustavo Sotero e o advogado Wilson Justo Filho. O advogado acabou morto após levar tiros no abdômen, disparados pelo policial.

As imagens mostram o momento em que Gustavo aparece bebendo e olha em direção a Fabíola Oliveira, esposa do advogado, e aparenta falar algo para ela. Wilson, então, sai de onde estava, atrás da esposa, e os dois conversam, enquanto as pessoas em volta curtem o show que acontecia no palco. O advogado, então, dá um soco no rosto do delegado e volta para o lado da esposa. O policial, então, saca a arma e dispara contra o advogado. 

Receba Novidades

* campo obrigatório

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.