Quinta-feira, 23 de Maio de 2019
PROFESSORES

Sindicato de professores de Manaus anuncia ato de paralisação nesta quinta (28)

Segundo Asprom Sindical, negociações com Seduc e Sefaz se esgotaram e os professores discordam da proposta de reajuste salarial de 4% apresentada até então



show_d7433632-737c-4c8c-84d2-bca27a2b8608.jpg
Foto: Arquivo A Crítica
27/03/2019 às 14:51

O Sindicato dos Professores e Pedagogos de Manaus (Asprom Sindical) anunciou um ato de paralisação da categoria nesta quinta-feira (28) em frente à sede do governo, na av. Brasil, Compensa, Zona Oeste da cidade, a partir das 8h. Os trabalhadores da educação buscam o diálogo sobre reajuste salarial e querem ser recebidos pelo governador Wilson Lima.

De acordo com o presidente da Asprom Sindical, Lambert Melo, as negociações com os titulares da Secretaria de Estado de Educação (Seduc), Luiz Castro, e da Secretaria de Estado de Fazenda (Sefaz), Alex Del Giglio, se esgotaram e a categoria discorda da proposta de reajuste salarial de 4% apresentada até então. Segundo entidades sindicais, o percentual é insuficiente para ganhos reais de servidores públicos.

“Ele informaram que a proposta é a máxima e não tem como avançar. Essa proposta foi rejeitada pela categoria em assembleia geral que considerou indigna e indecente e continuamos reivindicando os 15% de reajuste e ganhos reais. Queremos que o governador tenha sensibilidade, recebe a comissão do sindicato, ouça às reivindicações e apresente a sua visão e uma proposta melhor para a categoria”, disse Lambert, acrescentando que a categoria não espera como resposta do executivo a informação de que o governador está viajando ou em agenda externa.

Caso a comissão da Asprom Sindical não seja recebida pelo governador, segundo Lambert, será marcado de imediato uma assembleia geral dos professores para deliberar, possivelmente, o indicativo de greve por tempo imediato. “A definição da data vai ser de imediato e provavelmente ainda neste final de semana”, disse.

A “paralisação de advertência”, como foi intitulada pelos membros da Asprom Sindical, estima reunir pelo menos três mil professores no ato e também a interrupção das atividades nas escolas da rede estadual de ensino nos três turnos de atividade no dia marcado. Merendeiros, vigias e auxiliares administrativos também sinalizaram apoio à manifestação.

Assembleia

Em posição de retaguarda, o Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Amazonas (Sinteam) – órgão de representação oficial da categoria – programou uma assembleia geral para tarde desta quarta-feira (27) para deliberar quais alternativas serão aderidas pelos servidores frente às propostas do Estado. A reunião será do Instituto de Educação do Amazonas (IEA), no centro, contará com a participação de professores do interior.

De acordo com a presidente do Sinteam, Ana Cristina Rodrigues, Nova Olinda, Tefé, Itacoatiara, São Paulo de Olivença, Parintins e Humaitá farão assembleia durante a semana para decidir se aceitam a contraproposta do governo, de 3,93% de reajuste e o pagamento das progressões verticais e horizontais.

Em assembleia, os professores estaduais que atuam em Eirunepé rejeitaram a proposta e manteve o percentual de 15% e as demais pautas de reivindicação: reajuste do vale alimentação, vale-transporte para todos os trabalhadores, reajuste do auxílio-localidade, extensão do plano de saúde para aposentados e progressões horizontais e verticais.

A reportagem entrou em contato com a assessoria de imprensa da Secretaria de Estado de Educação e Qualidade de Ensino (Seduc) e aguarda posicionamento da pasta.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.