Publicidade
Manaus
no AMAZONAS

Queda de avião do Greenpeace é o 2º acidente aéreo da ONG em dois anos

Em 2015, aeronave de mesmo modelo caiu em Manaus e duas pessoas ficaram feridas 17/10/2017 às 18:24 - Atualizado em 17/10/2017 às 18:52
Show aviao
Foto: Divulgação
acritica.com Manaus (AM)

A queda do avião do Greenpeace na manhã desta terça-feira (17) em Novo Airão (a 180 quilômetros de Manaus) é o segundo acidente do tipo no Amazonas. No dia 23 de julho de 2015, outro aeroplano do mesmo modelo, Cessna Caravan 208 de prefixo PR-PAZ caiu em Manaus. Duas pessoas ficaram feridas.

Em 2015, o piloto e um passageiro, únicos tripulantes da aeronave, ficaram feridos após o acidente. O caso ocorreu por volta das 16h de quinta-feira. Na ocasião, o Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa) avaliou as causas do ocorrido, mas o relatório final da ocorrência não foi divulgado.

Investigações

O Sétimo Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Seripa 7) informou que vai realizar uma ação inicial de investigação do acidente envolvendo a aeronave.

“A ação inicial é o começo do processo de investigação. São feitos registros fotográficos, partes da aeronave são retiradas para análise, relatos de testemunhas e documentos são colhidos”, explicou.

Após a conclusão da investigação, um relatório final será divulgado no site do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa).

Outros casos

O acidente do avião modelo Cessna 2018 em Novo Airão ocorreu por volta das 11h. A informação foi confirmada pelo Centro de Comunicação da Aeronáutica (Cecomsaer) da Força Aérea Brasileira (FAB). Uma turista sueca de 29 anos que não teve o nome divulgado morreu após a queda e teve o corpo levado para o Instituto Médico Legal (IML) durante a tarde. Quatro pessoas sobreviveram e estão na capital recebendo atendimento médico e não correm risco de morte.

No IML, uma funcionária do Greenpeace, que não quis ser identificada, disse que o trajeto se tratava de um voo panorâmico na região do arquipélago de Anavilhanas, o qual fazia parte de um estudo. Segundo ela, o percurso era feito com freqüência na região.

Em nota, o Greenpeace disse que além da turista, três brasileiros estavam na aeronave, além do piloto. A ONG reiterou que os esforços estão concentrados em colaborar com os órgãos competentes que estão investigando o fato. 

Conforme consulta no site da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), a aeronavegabilidade do hidroavião era considerada “normal”. O  transporte também tinha peso máximo para decolagem de 3.792kg, com capacidade para oito passageiros. 

O consulado da Suécia em Manaus informou que está acompanhando o caso e tomando as providências que a situação requer. O consulado disse ainda que aguarda informações oficiais da Embaixada da Suécia, em Brasília.