Publicidade
Manaus
CONCURSO

DPE entrega à perícia da Polícia Civil provas que chegaram abertas em concurso público

Defensor geral Rafael Barbosa levou até à sede da Delegacia Geral duas caixas com envelopes de provas. Segundo a DPE, o concurso continua 05/03/2018 às 14:55 - Atualizado em 05/03/2018 às 16:10
Show foto defensor
O defensor-geral Rafael Barbosa chega com as caixas, onde vieram envelopes rasurados nas laterais (Foto: Raine Luiz)
Amanda Guimarães Manaus (AM)

Envelopes das provas do concurso para defensor público do Estado, realizado nesse domingo (4) em Manaus, foram entregues na manhã desta segunda-feira (5) pelo defensor geral, Rafael Barbosa, para a perícia na Polícia Civil do Amazonas (PCAM). Ontem a Defensoria Pública (DPE-AM), registrou envelopes com as laterais abertas em quatro salas. Uma candidata também denunciou o problema. 

Os envelopes foram deixados na Delegacia Geral do Estado do Amazonas, localizada na Zona Centro-Oeste de Manaus. O próprio delegado-geral, Mariolino Brito, recebeu os documentos. Um representante da Ordem dos Advogados Seccional Amazonas (OAB-AM) acompanhou o defensor geral, Rafael Barbosa, até à sede do órgão. 

Em entrevista à reportagem do Portal A Critica, o defensor geral Rafael afirmou que a comissão do concurso decidiu entregar as caixas, onde vieram os envelopes com as aberturas laterais. "Essa decisão (periciar) é da comissão do concurso. A Fundação Carlos Chagas (FCC), não discordou da nossa decisão. Pegamos as caixas onde os envelopes vieram com a abertura. Trouxemos aqui os envelopes com as aberturas laterais e aqueles que não estavam. Entregamos para a perícia, para que eles nos falem se essa abertura aconteceu por uma ação humana, ou pelo transporte, por exemplo", explicou Rafael.

O defensor também destacou que as caixas foram abertas na frente da comissão, do coordenador da Fundação Carlos Chagas e de três representantes dos candidatos. "Cada caixa tem quatro envelopes de prova. Presenciamos a abertura das caixas juntamente com a FCC e representantes dos candidatos. Agora a polícia vai analisar com a seriedade que o caso pede", destacou.

O representante da Defensoria Pública do Estado também ressaltou que o concurso continua. "Até o momento, o concurso não foi anulado. A Fundação Carlos Chagas afirmou que vai se pronunciar ainda hoje sobre o caso e vamos esperar. O candidato que se sentir lesado por entrar em contato com a própria fundação", completou.

Publicidade
Publicidade