Publicidade
Manaus
PROCESSO

Corregedora diz que assassinato pode gerar demissão de delegado dos quadros da PC

Segundo Iris Trevisan, processo administrativo já foi aberto e tem prazo de 90 dias para ser concluído; caso é considerado grave 25/11/2017 às 11:20 - Atualizado em 25/11/2017 às 11:29
Show whatsapp image 2017 11 25 at 11.14.24
Este é o segundo processo aberto contra o delegado Gustavo Sotero
Kelly Melo Manaus

A Corregedoria-Geral da Segurança de Segurança Pública informou que vai instaurar um Processo Administrativo para apurar as circunstâncias do assassinato do advogado Wilson Justo Filho, cometido pelo delegado de Polícia Civil, Gustavo Sotero, na madrugada deste sábado, no Porão do Alemão. A corregedora-geral, Iris Trevisan, classificou o episódio como grave e é inadmissível e não descartou a possibilidade de demissão do delegado. 

Segundo Trevisan, a corregedoria irá realizar todas as diligências necessárias para evitar nulidades futuras e tomar todo o cuidado com o caso."Já determinei  a abertura do processo administrativo, que é algo mais sério e o resultado dele pode gerar a demissão a bem do serviço público. O processo tem um prazo de 90 dias para ser concluído, podendo ser prorrogado por um tempo maior."

Sotero responde a um outro procedimento na corregedoria desde 2014, por suspeita de dirigir alcoolizado. Sobre isso, a corregedora informou  que se trata de uma sindicância que está em fase final. 

O delegado-Geral da Polícia civil, Mariolino  Brito, também lamentou o ocorrido mas afirmou que a Polícia Civil já realizou todos os procedimentos necessários. Ele confirmou que a casa de show onde o crime aconteceu cedeu imagens do local, mas não entrou em detalhes sobre o que elas mostram. 

De acordo com Brito, todo o material será  apresentado durane  audiência de custódia e caso a prisão do delegado seja convertida em preventiva, ele irá ficar aquartelado na carceragem da Delegacia Geral, no Dom Pedro.

LEIA MAIS

'Foi uma sequência de 4 a 5 tiros', diz empresário baleado em tiroteio no Porão

Delegado que matou advogado no Porão do Alemão já tinha passagem pela polícia

Em depoimento, delegado alega que matou advogado no Porão em legítima defesa