Publicidade
Manaus
CUSTÓDIA

Delegado tem prisão convertida para preventiva e ficará em cela especial na DG

Audiência foi realizada na tarde deste sábado, horas depois do delegado Gustavo Sotero matar o advogado Wilson Justo Filho no Porão do Alemão 25/11/2017 às 14:14 - Atualizado em 25/11/2017 às 15:00
Show delega
Advogados fizeram protesto no Fórum Henoch Reis
Amanda Guimarães Manaus

A prisão em flagrante do delegado Gustavo Sotero, que matou o advogado Wilson Filho, foi convertida em preventiva na tarde deste sábado (25), durante audiência de custódia realizada no Fórum Ministro Henoch Reis. Agora, o policial será conduzido para a carceragem da Delegacia Geral da Polícia Civil do Estado do Amazonas. A informação foi confirmada pelo presidente da Ordem dos Advogados Seccional Amazonas (OAB-AM), Marco Aurélio Choy, e também pela assessoria do Tribunal de Justiça do Amazonas. 

A audiência de custódia estava marcada para começar a partir das 14h, mas acabou começando mais cedo. Ainda segundo o presidente da OAB, a decisão do juiz do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM) atendeu o objetivo da ordem dos advogados. 

SAIBA MAIS: Câmeras de segurança mostram disparos de assassinato no Porão do Alemão

"O Dr. Flankin converteu a prisão em flagrante em prisão preventiva do delegado, então o nosso objetivo foi atendido. A OAB está acompanhando o caso desde cedo. O delegado deve ser encarcerado no cárcere da Delegacia Geral", explicou Choy.

O presidente da OAB também destaca que o delegado alegou mais uma vez que matou o advogado Wilson por legítima defesa. "Ele alega legítima defesa, mas entendemos que não há defesa, porque ele disparou quatro tiros contra o advogado. Deu dois tiros no primeiro momento e outros dois depois. Por mais que o advogado tivesse discutido com ele, a reação foi desproporcional. Entendemos como acertada a decisão do juiz", disse.

A advogada do delegado Gustavo Sotero, Carmen Romero, sustentou a tese de legítima defesa. Ela afirmou que o delegado poderia sofrer uma transgressão disciplinar se tivesse deixado a arma no carro ou na portaria da casa noturna.

"A Polícia Civil tem uma portaria, que pedi que fosse carreada aos autos, onde os delegados de polícia não podem deixar as armas acauteladas. Eles não podem deixar na recepção do estabelecimento, nem no interior dos veículos, sob pena de que se configure uma transgressão disciplinar".

O velório do advogado será realizado na tarde deste sábado (25), na Ordem dos Advogados do Estado do Amazonas, localizada na Zona Centro-Sul de Manaus.

CONFIRA

Delegado que matou advogado no Porão do Alemão já tinha passagem pela polícia

Quatro pessoas são baleadas durante a madrugada no bar Porão do Alemão

'Foi uma sequência de 4 a 5 tiros', diz empresário baleado em tiroteio no Porão

Publicidade
Publicidade