Sábado, 18 de Setembro de 2021
CENÁRIO

Pastores invadem aldeias com mitos e atrapalham vacinação de indígenas no AM

“Infelizmente, alguns pastores que carecem de sabedoria estão espalhando informações erradas para nossos irmãos indígenas”, lamentou o pastor Mario Jorge Conceição, da Assembleia de Deus Tradicional em Manaus



S7EQ3QGJ5BDLHFEU5SCI37G5EI_37DDE628-F43D-40EA-ABC6-1C495ED53CBA.jpg Foto: Socioambiental
11/02/2021 às 21:14

Equipes médicas que trabalham para imunizar as remotas aldeias indígenas do Brasil contra o coronavírus encontraram forte resistência em algumas comunidades onde os missionários evangélicos estão alimentando o medo da vacina, dizem líderes indígenas e defensores.

Na reserva de São Francisco, no estado do Amazonas, os moradores de Jamamadi enviaram agentes de saúde com arcos e flechas quando os visitaram de helicóptero neste mês, disse Claudemir da Silva, um líder Apurinã que representa as comunidades indígenas no rio Purus, um afluente do Xingú .



“Isso não está acontecendo em todas as aldeias, apenas naquelas que têm missionários ou capelas evangélicas onde os pastores estão convencendo as pessoas a não tomar a vacina, que vão virar jacaré e outras ideias malucas”, disse por telefone.

Isso aumentou os temores de que o COVID-19 possa atingir os mais de 800.000 indígenas do Brasil, cuja vida comunitária e saúde muitas vezes precária os tornam uma prioridade no programa nacional de imunização.

Os líderes  culpam o presidente de extrema direita do Brasil, Jair Bolsonaro, e alguns de seus ávidos apoiadores na comunidade evangélica por atiçar o ceticismo sobre as vacinas contra o coronavírus, apesar de um número de mortes nacional que fica atrás apenas dos Estados Unidos.

“Fundamentalistas religiosos e missionários evangélicos estão pregando contra a vacina”, disse Dinamam Tuxá, líder da APIB, a maior organização indígena do Brasil.

A Associação de Antropólogos Brasileiros denunciou grupos religiosos não especificados em comunicado na terça-feira por espalharem falsas teorias de conspiração para “sabotar” a vacinação de indígenas.

Muitos pastores das megaigrejas evangélicas urbanas do Brasil estão pedindo aos seguidores que sejam vacinados, mas dizem que os missionários em territórios remotos não receberam a mensagem.

“Infelizmente, alguns pastores que carecem de sabedoria estão espalhando informações erradas para nossos irmãos indígenas”, disse o pastor Mario Jorge Conceição, da Igreja Tradicional Assembleia de Deus em Manaus, capital do estado do Amazonas.

A agência governamental de saúde indígena Sesai disse à Reuters em um comunicado que está trabalhando para aumentar a conscientização sobre a importância da imunização contra o coronavírus.

Bolsonaro minimizou a gravidade do vírus e se recusou a tomar a vacina ele mesmo. Ele zombou especialmente do tiro mais amplamente disponível no país, feito pela Sinovac Biotech da China, citando dúvidas sobre suas "origens".

Em um evento em dezembro, o presidente ridicularizou a fabricante de vacinas Pfizer porque disse que a empresa se recusou a assumir a responsabilidade por efeitos colaterais em negociações com seu governo.

“Se você tomar a vacina e virar crocodilo, o problema é seu. Se você se transforma em Superman ou as mulheres deixam crescer a barba, não tenho nada a ver com isso ”, disse Bolsonaro sarcasticamente.

A Pfizer disse que propôs garantias contratuais padrão ao governo brasileiro que outros países aceitaram antes de usar sua vacina.

O acesso às redes sociais, mesmo em cantos remotos do Brasil, espalhou falsos rumores sobre as vacinas contra o coronavírus.

Por exemplo, o chefe tribal Fernando Katukina, de 56 anos, do povo Nôke Kôi, próximo à fronteira com o Peru, morreu em 1º de fevereiro de parada cardíaca relacionada a diabetes e insuficiência cardíaca congestiva. A notícia se espalhou rapidamente nas redes sociais e no rádio de que a vacina COVID-19 que ele recebeu em janeiro havia causado sua morte.

O centro biomédico do Butantan, que está produzindo e distribuindo a vacina Sinovac, se esforçou para convencer os indígenas de que não era o caso.

“As mensagens da mídia social dizendo que Fernando Katukina morreu após tomar a vacina COVID-19 são notícias falsas”, escreveu o Butantan em um tweet.

COVID-19 matou pelo menos 957 indígenas, de acordo com a APIB, de cerca de 48.071 infecções confirmadas entre metade dos 300 grupos étnicos nativos do Brasil. Os números podem ser bem maiores, porque a agência de saúde Sesai só monitora indígenas que vivem nas reservas.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.