Terça-feira, 15 de Outubro de 2019
DESEMPENHO PRODUTIVO

Açaí se torna o 2º produto mais importante da agropecuária amazonense

Enquanto a maioria dos produtos extrativos produzidos no AM tiveram queda, o açaí foi na contramão e agora só perde para a mandioca em valores de produção e extração



show_a_ai_um_AF2CF6AE-4B94-4CB0-AF69-F4CC053B5187.JPG Natural de Juruá, João Pinheiro, de 65 anos, há 32 anos vende açaí na avenida Codajás. Foto: Junio Matos
19/09/2019 às 19:38

O açaí já é o segundo produto mais importante da agropecuária do estado do Amazonas, superando produtos tradicionais como a banana e a madeira em tora e perdendo apenas para a mandioca. É o que revelam os dados da pesquisa Produção da Extração Vegetal e da Silvicultura (PEVS), de 2018, divulgados nesta quinta-feira (19), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Conforme o estudo, o ano de 2018 teve uma considerável redução na maioria dos produtos extrativos produzidos no estado. O açaí foi um caso à parte. Levantado em duas pesquisa: produção agrícola e extração vegetal, os resultados do ano de 2018 para o produto passaram de R$ 62 milhões para R$ 97 milhões na produção agrícola e de R$ 47 milhões para R$ 94 milhões na extração vegetal, totalizando R$ 191 milhões em 2018.



A mandioca continua sendo, de longe, o produto mais importante da agropecuária do estado, com valor de R$ 756,4 milhões registrado em 2018.

O destaque na quantidade de produção ficou por conta do buriti que aumentou de 1 para 23 toneladas de 2017 para 2018. A castanha-do-Pará foi outro produto que se destacou pela sua evolução passando de 10.000 para 12.000 toneladas entre 2017 e 2018. O destaque do buriti veio depois de uma grande série que começou em 1996 onde a produção variava entre 1 e 5 toneladas/ano, culminando com a boa produção em 2018 (23 toneladas). A produção de castanha-do-Pará aumentou 21,5% em relação a 2017. Entre as oleaginosas, destaque para o cumaru com aumento de 15,8%.

No entanto, vários outros produtos extrativos tiveram queda na sua produção com destaque para o látex coagulado de seringa que reduziu 28,1%; a piaçava que reduziu 13,7% e o carvão vegetal com queda de 21,6%.

O valor de produção dos produtos extrativos teve um crescimento de 3,9% em relação ao ano anterior, passando de 291 para 303 milhões de reais. A madeira em tora, embora com queda de 5,7% na produção, foi um produto com maior valor de produção (152 milhões de reais); seguida pelo açaí com o segundo maior valor de produção (94 milhões de reais). A castanha-do-pará foi o 3º produto extrativo amazonense com maior valor de produção, alcançando 37 milhões de reais.

Produção extrativa dos municípios

O buriti apresentou produção apenas nos municípios de Parintins (12 toneladas), Tabatinga (10) e Itacoatiara (1).

O maior produtor de castanha-do-pará em 2018 foi o município de Humaitá com 4 mil toneladas, seguido por Beruri (1.200 toneladas) e Lábrea (1.150 toneladas). Quarenta e oito municípios apresentaram produção de castanha em 2018. A maior produção de cumaru localizou-se no município de Silves com 20 toneladas. Já o açaí teve sua maior produção em Codajás; espalhando-se também por outros municípios.

Itacoatiara, Silves, Lábrea e Boca do Acre foram os municípios que obtiveram os maiores valores de produção da madeira em tora.

News pedro01 9f97d6e2 e058 4e63 8ce7 e934cf255a3d
Repórter de A Crítica

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.