Domingo, 26 de Maio de 2019
Saúde

Campanha em Manaus alerta sobre os riscos da automedicação

Estudo mostra que 10% das internações hospitalares são ocasionadas pelo uso inadequado de remédios. O consumo excessivo resulta em cerca de 50% dos agravamentos e surgimento de novas doenças



jair1_6D96CD1B-EA69-4CA7-934A-F000BFA6BD3D.JPG
Foto: Jair Araújo
07/05/2019 às 19:27

Há cerca de cinco anos, a agente de endemias Ellen da Silva Araújo realizava um trabalho no bairro Campos Sales, Zona Oeste de Manaus, quando resolveu tomar um analgésico para curar a forte dor de cabeça que sentia, agravada pela exposição ao Sol.

“Entrei na taberna e pedi um Anador. Tomei 30 gotas do medicamento e pouco tempo depois comecei a sentir ânsias de vômito e sinais de pressão baixa”, conta. “Minha vista escureceu e quase desmaiei. Fui socorrida pelos colegas, que começaram a me abanar”. Ellen não procurou atendimento no pronto-socorro. A agonia durou cerca de vinte minutos, porém o mal-estar e a moleza que perduraram pelo resto do dia. 

O caso de Ellen engrossa as estatísticas da Organização Mundial de Saúde (OMS) acerca da quantidade de brasileiros que têm o hábito de usar medicamentos por conta própria: 80 milhões, de acordo com levantamento em parceria com a Associação Brasileira de Indústrias Farmacêuticas (Abifarma), divulgado em 2017. Dez por cento das internações hospitalares são ocasionadas pelo uso inadequado de remédios, sendo que o consumo excessivo resulta em cerca de 50% dos casos de agravamento e surgimento de novas doenças.

“Os remédios são imprescindíveis na recuperação do paciente, no entanto precisam ser utilizados de forma adequada, com o diagnóstico e a orientação farmacêutica atualizados”, diz o farmacêutico Jackson Alagoas, chefe do departamento estadual de vigilância sanitária da Fundação de Vigilância em Saúde  do Amazonas (FVS-AM).

O órgão promove desde esta terça-feira (7), no Parque Municipal do Idoso, atividades alusivas ao Dia Nacional de Uso Racional de Medicamentos, celebrado no dia 5 de maio. A programação, que encerra nesta quarta-feira (8), ocorre das 8h até as 11h30 e inclui a aplicação do questionário sobre automedicação, apresentação teatral, aferição de glicemia e pressão alta, bioimpedância, tenção farmacêutica, atividades lúdicas e esportivas. Durante a ação, farmacêuticos estarão à disposição do público para orientar sobre o uso de medicamentos contínuos.

“A vida cotidiana é corrida. Muitas vezes as pessoas buscam orientação na internet e com outras pessoas que enfrentaram problemas parecidos, e acabam conseguindo remédios sem receita médica. Isso resulta no mascaramento da doença”, opina Jackson. Além de seguir a orientação dos médicos – como a ingestão da dosagem indicada e evitar o uso combinado com bebidas alcoólicas e determinados alimentos - é importante conservar as substâncias em locais adequados.

Analgésicos, antiinflamatórios e antibióticos são os tipos de medicamentos mais associados a casos de automedicação. “É comum alguém sentir dor de cabeça ou de garganta, por exemplo, e tomar um analgésico por orientação de amigos ou vizinhos, cuja medicação pode ser parecida, porém os problemas são diferentes. Então é necessário identificar a doença para que seja feito o diagnóstico e a prescrição apropriada”, recomenda Jackson.

O consumo inadequado de antibióticos, no entanto, resulta no fortalecimento da bactéria, o que pode retardar a cura ou até mesmo tornar ineficaz o tratamento. “Nesse caso é necessária a inserção de uma substância mais efetiva, porém a quantidade desses remédios não é muito extensa. Por isso, estima-se que um grande número de pessoas deve apresentar problemas de saúde em função da resistência microbiana”.

Idosos

A população de meia-idade é um dos públicos-alvo da atividade realizada pela FVS, pois trata-se de uma parcela cujo nível de consumo de medicamentos é elevado.

Atividades estão sendo realizadas no Parque do Idoso. Foto: Jair Araújo

“Os idosos têm o costume de administrar vários remédios de uso contínuo, como os indicados para tratamento de diabetes, hipertensão, e outros problemas cardiovasculares. Há pessoas que tomam de seis a sete medicamentos, e organizar isso é muito importante”, explica Jackson.

Fatores

Segundo a gerente de insumos estratégicos da FVS, Eurenice Lima, o mau uso da publicidade e a precariedade no atendimento são dois aspectos que facilitam a má administração de fármacos. “As consultas demoram muito, e as propagandas da indústria farmacêutica mostram apenas o lado positivos dos produtos. É diferente do que acontece com a propaganda de cigarro, por exemplo, no qual os efeitos nocivos são citados”, analisa.

Eurenice informa ainda que o site da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) dispõe de um sistema de notificação, chamado Notivisa, por meio do qual é possível registrar casos de problemas advindos do uso de medicamentos. O endereço é http://portal.anvisa.gov.br/notivisa/cidadao.

Despesas com remédios

Segundo dados da OMS, despesas com medicamentos podem alcançar até 30% do total de gastos em saúde em países em desenvolvimento, e até 66% em países desenvolvidos.

De acordo com estimativa do Conselho Federal de Farmácia, os governos federal, municipal e estadual desperdiçam cerca de R$ 1 bilhão em medicamentos todos os anos. Em média, 20% dos remédios comprados no varejo pelo poder público e pelos hospitais privados são desperdiçados no mesmo período. 

VOZ DAS RUAS

Maria Zélia Vidal, 74 anos, aposentada

“Às vezes, tomo antibióticos e analgésicos, como Novalgina e Dorflex, por recomendação de amigos e familiares. Sofre de hipertensão e faço controle do hipotireoidismo, mas nunca tive problemas relacionados ao consumo de substâncias por conta própria”.

Naldo Pereira da Silva, 56, pintor de placas e faixas

“No final do ano passado, senti uma forte dor na perna e tomei um Torsilax. É o mesmo que uso para dor de cabeça e dor de dentes. No hospital, recebi duas injeções e confirmaram o diagnóstico: reumatismo. No período do inverno, costume sentir essa dor na metade da perna”.

Repórter freelancer de A Crítica

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.