Terça-feira, 21 de Setembro de 2021
Entrevista

Comandante do CMA fala sobre realização da 'Operação Amazônia'

Em entrevista ao Portal A CRÍTICA, ele deu detalhes sobre a maior ação de treinamento já realizada pelo CMA



215516dd-fa66-4218-9731-5989e39759ae_CD195BD6-DB72-46D5-8FAF-8B84395FDB66.jpg Foto: Antônio Ximenes
15/07/2021 às 10:31

O comandante do Comando Militar da Amazônia (CMA) e do Teatro de Operações da Operação Amazônia, general de exército Estevam Theophilo, concedeu ao Portal A CRÍTICA sobre as execução da Operação Amazônia, maior exercício de treinamento realizado pelo CMA em toda a sua história.

A CRITICA - Quais as principais características da Operação Amazônia?

General Theophilo - Adestrar a tropa para as guerras de resistência e convencional. Começamos em abril e vamos até setembro com essas ações. A primeira parte foi da resistência, quando uma nação com maior poder de fogo que o Brasil invadiu nosso território e lutamos junto com a população no formato de resistência/guerrilha. Agora, estamos simulando lutas contra forças irregulares de dois países que se aliaram Vermelho e Marrom, mas que tem o mesmo poder de fogo que o Brasil. Estamos combatendo a guerrilha Vermelha, com nossas forças regulares do país Azul no rio Negro, onde está a 2a Brigada de Infantaria de Selva.

A CRÍTICA - Como a população de Barcelos foi avisada desta ação de grande porte?

General Theophilo - Fizemos todo um trabalho de comunicação, inclusive, conversando com as autoridades locais e os líderes comunitários das áreas urbana e rural. Mesmo sendo um exercício militar, onde empregamos armas de grande poder de destruição, e em alguns casos com munição real, temos o cuidado de deixar claro que é uma atividade em defesa da soberania nacional e integrado com os brasileiros da região.

A CRITICA- Quando serão realizadas as próximas atividade da Operação Amazônia?

General Theophilo - Na próxima semana estaremos em Coari, onde a 16ª Brigada de Infantaria de Selva Missões de Tefé, estará lutando com a guerrilha do país Vermelho, que também começou a atuar no médio rio Solimões. No mesmo formato de guerra convencional (país Azul) contra forças irregulares de Barcelos, mas em território com outras características.

A CRITICA- E em setembro o que teremos na Operação Amazônia?

General Theophilo- Marcha para o combate com a 1ª Brigada de Infantaria de Selva de Boa Vista vindo pela BR 174 na direção de Manaus, que neste caso foi ocupada pelos países agressores; e também da 17ª Brigada de Infantaria de Selva de Porto Velho, que virá pelo rio Madeira na direção de Borba. A 13ª Brigada de Infantaria Motorizada de Cuiabá também vai participar vindo pela BR 319. Haverá disparos de munição real dos foguetes Astros, com capacidade de atingir alvos de até 40 quilômetros, e saltos aeroterrestre da Brigada de Infantaria Paraquedistada do Rio de janeiro, entre outras ações de grande porte.

*Especial para o A CRÍTICA



Especial para A Crítica

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.