Quinta-feira, 18 de Abril de 2019
publicidade
crian_a_E4F478F5-B152-4A59-A1BC-4AA021484503.JPG
publicidade
publicidade

SAÚDE

Saiba como evitar que as crianças tenham medo da consulta odontológica

A odontopediatra Érika Perini Grosso orienta os pais e responsáveis de forma a tornar a ida ao dentista mais tranquila para os pequenos


28/01/2019 às 18:47

Ir ao consultório odontológico pode até ser um pesadelo para muitos adultos, mas para as crianças não precisa ser assim. Isso porque com tantos recursos e estímulos existentes hoje, é possível fazer do atendimento algo prazeroso tanto para os pais quanto para os pequenos. É o que defende a odontopediatra Érika Perini Grosso.

“As crianças não nascem sabendo o que o dentista significa. O medo que elas desenvolvem pode ser o resultado do que contam pra ela ou de situações vividas. É importante evitar contar experiências desagradáveis e negativas na frente delas, para que não criem uma fantasia em cima disso. Há muitas que chegam no consultório dizendo que uma tia ou a mãe mesmo disse que ir ao dentista dói muito, ou seja, já criam uma expectativa negativa e já chegam nervosas e ansiosas. Hoje em dia com técnicas de manejo de comportamento e experiência conseguimos fazer um tratamento indolor”.

A especialista conta que em alguns casos também o medo é associado ao histórico de cada criança. Um exemplo são crianças com doenças anteriores em que precisaram ficar internadas, tomaram soro, injeção e acabam associando o dentista a essas situações.

“Com isso, não usamos jaleco branco e tentamos fazer o ambiente o mais diferente e alegre possível para que não haja essa associação. No caso dos pequeninos (até 3 anos), o choro é normal. É a forma que eles possuem de se expressar. O importante é fazer com que as consultas sejam menos espaçadas, para que se crie um elo de confiança e na segunda ou terceira vez a criança já fique mais tranquila”, diz.

Elemento Lúdico

Utilizar a linguagem da criança, que é a do lúdico e do brincar, é uma das formas de os pais incentivarem os hábitos de higiene e cuidado desde muito cedo. “Em casa, é importante que os pais falem a mesma linguagem como: vamos varrer o dentinho, hora de fazer faxina na boquinha, algo que eles consigam entender. Ao final, mostrar no espelho, tirar foto, dizer que vai mandar pra vovó ou alguém que eles gostem muito estimula bastante”, orienta.

O acompanhamento com um dentista deve iniciar ainda na gestação, para que a futura mamãe tenha as orientações básicas. Após o nascimento do bebê, entre 6 meses a 1 ano de idade, deve ser realizada a primeira consulta do bebê. “A partir dela, é avaliado o risco da criança de desenvolver a cárie e outros problemas que acometem a cavidade bucal e a saúde como um todo. O ideal é que até os 6 anos a criança já tenha passado por consulta com o ortodontista. Há muitas situações em que precisamos intervir bem antes dos dentes permanentes, o que inclui avaliação do crescimento ósseo da face; espaço para os dentes que ainda vão nascer; hábitos de sucção, como o dedo ou chupeta por exemplo... Isso tudo precisa ser tratado antes da dentição permanente”, completa.

Serviço

O quê: Odontopediatria

Onde: Clínica Neovida e Dental Kids

Contato: 3236-1280/33022565 / whatsapp - 98289-3896

Instagram: @erikaperinigrosso

publicidade
publicidade
Confira a lista dos 774 convocados no concurso da Susam de 2014
Governador assina convocação de 774 classificados do concurso da Susam
publicidade
publicidade
publicidade
publicidade

publicidade
publicidade

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.