Publicidade
Cotidiano
APREENSÃO

Ibama apreende mais de 3 mil metros de toras de madeira em Novo Aripuanã

Duas balsas e um empurrador também foram apreendidos. O proprietário da carga foi autuado e deverá pagar uma multa de R$ 908 mil 19/08/2018 às 14:23 - Atualizado em 19/08/2018 às 14:26
Show madeira agora 82816a96 d81b 4d4b add9 798a34311d70
Os agentes do Ibama observaram, durante a abordagem, que os Documentos de Origem Florestal (DOF) estavam inválidos (Foto: Divulgação)
Priscila Rosas Manaus (AM)

A equipe do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) apreendeu 3.000 m³ de toras de madeira nesse sábado (18) no município de Novo Aripuanã, distante a  227 km de Manaus. Duas balsas e um empurrador também foram apreendidos. O proprietário da carga foi autuado e deverá pagar uma multa de R$ 908 mil.

O transporte ilegal foi detectado através de monitoramento dos sistemas oficiais, após investigações da equipe de inteligência da Superintendência do órgão e pela Polícia Federal. A equipe da Operação Seiva Maldita V foi acionada. “Fomos ao lugar averiguar e verificamos que realmente havia irregularidades”, informa o órgão. A operação envolveu seis fiscais do Ibama e doze policiais.

Os agentes do Ibama observaram, durante a abordagem, que os Documentos de Origem Florestal (DOF) estavam inválidos. "Uma tentativa de burlar a fiscalização apresentando DOFs emitidos extemporaneamente", apontou o Ibama por meio de nota. 

Segundo o Ibama, depois da ação o proprietário emitiu a documentação correta. Para transportar cargas de madeiras é necessário o Plano de Manejo licenciado e aprovado, além do Documento de Origem Florestal (DOF). O Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (IPAAM) é responsável por emitir a documentação.

Ainda de acordo com o órgão, esse tipo de ocorrência acontece com certa freqüência, por causa do enriquecimento ilícito. “A madeira não tem documentação, sendo assim tem um custo muito pequeno em relação a madeira legalizada. O custo da madeira ilegal é  praticamente somente extração dela da floresta”, relata o órgão. 

Publicidade
Publicidade